6 de março de 2015

Ódio ao Meta



E mais uma vitória do Abismo Ardente... envolta de ódio.

 Eae pessoal, blzinha? O assunto de hoje vai ser polêmico, de novo. Estou preparando um post pra El Shaddoll Anomalilith e já estava com a cabeça nesse para ser a conclusão definitiva de um assunto que eu iria levemente abordar naquele post. Mudei de ideia depois da vitória dos Burning Abyss no YCS Prague derrotando os badalados Nekroz, essa noticia já ecoou a Comunidade Yu-Gi-Oh e acho que a informação já está fresca para todos. O título do post diz tudo, existe sim uma 'discriminação' de boa parte dos jogadores quanto ao Metagame: "Deck sem criatividade.", "Tudo Net-Decker, aff.", "Tudo carta broken, não dá pra jogar contra.". Mas desses argumentos, qual deles se suporta por si só? Qual deles não passa de frustração? Qual deles sequer pode ser chamado de argumento?

 O Metagame é um ponto delicado do jogo, mas não é algo para se gerar esse ódio popular entre uma grande massa da comunidade. Vou ser claro desde o começo, esse post não vai adicionar nada a ninguém em relação ao jogo em si, estou fazendo ele porque já estou cansado de ver as picuinhas mais inúteis pela internet, além de malditos comentários com críticas ácidas geradas apenas pela frustração e pelo ódio. Vocês vão entender a minha opinião ao longo do post. E antes de mais nada: não estou dizendo que não pode não gostar do Meta, porém saiba medir os seus argumentos para isso e seja sincero não só com os outros, mas principalmente consigo mesmo.

 Hora de começar a operação babá:

Individualidade.

 Vou iniciar desconstruindo o argumento em relação a criatividade e falta de variedade dos decks Metas. A principal base desse tipo de argumento é que o jogo fica sem variedade e acaba ficando na mesmice por formatos, o que não está necessariamente errado, dependendo do ponto de vista. Não é como se o jogo estivesse cheio apenas de Meta, só olha quantas cartas existem no jogo. Tem certeza mesmo que todo mundo só usa o Meta? Não acha que isso está apenas no nicho em que você está inserido (seja locais IRL ou simuladores online)? E outra, a pessoa está mesmo fadada a jogar apenas com um tipo de deck pelo resto da vida?

 Yu-Gi-Oh é um jogo onde o objetivo é a vitória: se fosse um jogo voltado para a diversão não teria uma regra dizendo "o jogo só acaba quando alguém VENCE o duelo." (o detalhe do empate é irrelevante aqui, a probabilidade de acontecer é irrisório). Diversão e criatividade é algo imposto pelos próprios jogadores, mas é claro, ninguém que duela é uma máquina sem emoções ou prazeres, porém dizer que o jogo é naturalmente 4fun está errado, o jogo sempre foi e sempre será mais competitivo. E justamente devido a essa competitividade que os decks com maior consistência, poder de fogo, melhores suportes e também melhor match-up em geral em relação aos demais vai ser a prioridade pra quem quiser cumprir esse dever do jogo: a competição. Reclamar de criatividade num cenário competitivo é algo idiota, para não falar coisa pior, cada um joga da maneira que deseja, impôr que os outros sempre joguem da maneira que você gosta é egoismo. A minoria sempre será a minoria? Não é isso que eu estou querendo afirmar aqui, mas sim que existe uma motivação por trás de cada duelista: do mesmo jeito que a diversão gera prazer a você a competição pode gerar a mesma sensação para outra pessoa. Buscamos a mesma sensação só que de maneiras diferentes, basta que a minoria convença que a diversão é mais empolgante que a competição para que os números se invertam.

 Mas é claro que dizer isso no meio de um torneio é mais uma idiotice. Um torneio é o ápice da competição e são eles que dominam, ditam e incentivam o modo de como o Yu-Gi-Oh deveria ser jogado, não existe nada como um concurso em que o vencedor sairia dos quesitos criatividade, identificação com o deck e individualidade nas escolhas das cartas. Espera, entramos em uma contradição múltipla aqui, concursos são uma forma de competição... Entendem porque Yu-Gi-Oh! sempre vai cair no cenário competitivo? Até mesmo no meio daqueles que jogam por diversão, eu tenho certeza absoluta, que eles montam o seu deck para vencer (novamente, desconsiderando decks 'trolls' de empate e afins, são exemplos sem relevância). Reclamar do deck feito para vencer, mas montar decks feitos para vencer (mesmo que num estágio abaixo), hipocrisia? Talvez.

 Voltando na tecla "Criatividade", tem certeza mesmo que teu deck é realmente criativo? Tem certeza que você é a última bolacha do pacote que teve essa ideia genial? Criatividade é uma palavra egoísta, algo criativo é algo único, algo seu. Para essa falsa palavra vou deixar uma frase que vale a pena ser levada em consideração: 

"O segredo da criatividade é saber esconder as fontes." Albert Einstein

Até mesmo Mokey Mokey já deve ter ficado sem criatividade entre o 4fun graças ao Yu-Gi-Oh 4RealMen.

Popularidade.

 Indo na onda dos comentários citados acima vem aqueles que atingem a popularidade do deck, afirmando que o mesmo, por causa disso, está sendo apenas copiado por outros jogadores pelo ato conhecido como Net-Deck, que, por algum motivo, é depreciado pelos jogadores. O que tem de tão ruim no Net-Deck? Falta de criatividade? Se for, eu já desconstruí esse argumento. Qual é o problema em seguir o exemplo de alguém que foi feliz em sua busca pela vitória? Isso vai contra algum princípio de honra? Fazendo uma releitura desse ato: Net-Deck não seria o mesmo de um mestre passar os frutos de suas experiências para um possível discípulo? Ser um escravo da vitória, num jogo genuinamente competitivo, não é algo negativo, se é ela que mais importa o jogador vai atrás dela fazendo o que for possível. Exceto atos ilegais, é claro (não vamos fazer certas apologias aqui), mas o que mais me incomoda é que incluem Net-Deck nesse grupo.

 Net-Deck é uma prática importante pro jogo: • você pode aprender sobre o funcionamento de algum deck/carta. • você pode chegar a uma breve resposta do porque Deck X ganhou Torneio Y. • você pode usá-lo como base para melhorar o deck em que você está montando. • você evita perder o pouco tempo que tem para jogar o jogo. Não tem nada de ilegal ou negativo nisso, mas boa parte da Comunidade Yu-Gi-Oh insiste num jogo "justo" em que todos começam tudo do zero e vão aprendendo sozinhos, sem atalhos ou "trapaças" (mais aspas, por favor). Preciso dizer que isso é o cúmulo do egoísmo? Preciso também dizer que isso é contraditório (Comunidade onde cada um se vira, sério isso?)? Isso acaba entrando no tema individualismo, as pessoas querem se comparar pela sua 'habilidade' sendo que nem todo mundo tem esse como objetivo principal no jogo.

 Uma das coisas mais comuns de se ver é o pessoal dizendo com todas as suas forças (lê-se frustrações) que é errado ter decks iguais topando em um torneio ou alguém copiar um deck só porque ganhou Torneio X: "Não, porque isso é uma afronta ao jogo, olha essa sacanagem e bla bla bla.". E mesmo quando os decks não são iguais, mas são do mesmo arquétipo ainda existe uma onda de ódio pra cima deles, exemplo recente é o desse YCS em que tinha muita gente torcendo para Burning Abyss só porque Nekroz era a maioria. Só lembrando, um formato atrás essas mesmas pessoas miravam essa raiva em cima dos próprios BA. Esse vai e vem de alvos faz boa parte da comunidade se contradizer e mostrar mais e mais que não tem um argumento definido do "porquê eu odeio tal deck", no fim acaba sendo basicamente "Eu odeio a maioria.". Mas porque isso? É porque a maioria é o deck mais popular? Ou será porque a maioria é o que eu mais enfrento diariamente e perco? Então o argumento dessa turma é frustração? Dá pra se levar algo assim em consideração? Claro que não! Se eu falar que eu não gosto de algo só porque eu estou frustrado isso só revela o quão imaturo eu sou.

 Essa frustração em relação ao Meta é frequente, as pessoas perdem para um deck que são sim naturalmente mais fortes, se esquecem que a porcentagem de vitória já era pequena desde o começo e se frustram acreditando que eles deviam ter vencido ou que tudo isso foi pura "injustiça". O jogo só seria justo se todos tivessem que usar o mesmo deck com as mesmas cartas nas mesmas quantidades, algo que o Yu-Gi-Oh! não segue, então existe o topo e a base da pirâmide do potencial. Nunca assuma que você tem que vencer tudo independente das variáveis, também nunca assuma que você tem que fazer um ato heroico vencendo o Meta com o 4fun. Em suma, não crie expectativas! Se você não quer enfrentar Deck X porque você não gosta do estilo de jogo dele, então nem jogue, saia da partida. Não se frustre de graça, coloque um foco na sua cabeça e se o seu objetivo for só a diversão, você vai saber quando recuar. Só que quando você bater de frente contra a parede de Nekroz, BA, ou seja lá qual for o deck e se esborrachar todo, não vá descontar a raiva em cima de cartas de papel, isso é idiota. Se quiser reclamar sobre a falta de equilíbrio no jogo procure reclamar com a Konami.


Falando em popularidade, esse deve ter sido outro que perdeu fãs-hipócritas. Pobre Volcanic.

Influenciabilidade.

 Eu não iria discorrer sobre isso, mas um comentário idiota num vídeo qualquer do Youtube me obrigou: "Só observem o Dark Law ou Mask Change II tomar hit da banlista, HERO está sendo punido porque Burning Abyss é estúpido." Primeiro, pra quem pensa assim também, meus sinceros saia desse mundinho fechado. Uma carta não é lançada para um arquétipo fechado, ela é criada para o jogo e para não quebrar os limites do mesmo, não para ser pura ao extremo para que somente um deck possa usá-la. Vou abrir exemplos para vocês enxergarem aonde eu quero chegar: • Blackwing Gale - The Whirlwind já foi uma staple. • Stratos foi limitado por causa da tech de Destiny HERO Malicious. • Ice e Fire Hand basicamente mal foram utilizadas em conjunto de seu arquétipo. Se a carta vai ser acertada pela Banlista não é porque os outros decks (não o de seu arquétipo) estão abusando dela, mas sim porque ela é abusiva. Não tem essa de "é injusto com o deck original da carta", isso é pensar pequeno e ser o mais individualista possível, HERO não é um deck especial para ser abençoado com uma carta somente sua, nenhum deck é. Yu-Gi-Oh é um jogo muito flexível, defender que um deck é especial por ser único e essa particularidade não deve ser quebrada é bobagem.

 Já devem ter percebido que eu falei muito sobre individualismo, egoismo, orgulho e o jogo está repleto disso, queria o que de um jogo capitalista? Compre e apareça, não, talvez vença e apareça, melhor, seja especial e apareça, esse seria um logo perfeito pro Yu-Gi-Oh!. As pessoas almejam ser individuais e únicos do seu jeito para assim se sentirem melhor, uns procuram ser os mais criativos, outros procuram ser os mais habilidosos e outros só procuram ser. "Ser o quê", você diz? Ser nada, ué. Pra que você precisa se sentir especial e único mesmo? 

Esse sim é um Herói, está salvando os Burning Abyss nesse formato. Continue com o bom trabalho, Dark Law.

Competitividade.

 Agora que tiramos a casquinha da ferida é hora de falar do verdadeiro problema, esse sim incomoda muitos jogadores e com motivo. Mas novamente, será que os argumentos estão bem feitos ou... bem direcionados? Relembrando o que eu disse anteriormente: se existe diferentes cartas e diferentes decks é óbvio que vai haver o topo e a base da pirâmide, ou como alguns gostam de enxergar, o Meta e o 4fun. No meio de tanta diferença é natural ter um que se sobressai perante o resto, mas o pessoal insiste em dizer que isso é injusto com todas as forças e usando até as presas se preciso for. Se você quer "justiça" (puta palavra relativa que eles foram achar), mande a Konami parar de criar cartas então.

 Sabe o que não é normal? Um topo da pirâmide absoluto, não, não estou falando de somente o Meta topar, até porque isso não é verdade atualmente, estou me referindo a uma época do jogo que muita gente lembra: a época de ouro dos Dragon Rulers. Disparado aquela foi a época em que o jogo se encontrava mais desequilibrado e é isso o que é o topo absoluto na minha analogia: nessa época somente Dragon Ruler e Prophecy topavam, isso porque existiam outros bons candidatos atrás das suas sombras (vide Fire Fist e Mermail que estavam no auge), eles eram Meta também, mas não chegavam aos pés dos seres acima deles, tanto que chamavam DR e Prophecy de Tier Zero, eles eram praticamente intocáveis. O jogo atualmente se encaminha para esse mesmo fenômeno novamente, para vender cartas novas a Konami precisa criar algo melhor e melhor que os que já temos no mercado, e como a banlist está cada vez mais comercial ela não faz o trabalho de amenizar os decks fortes do mercado. Resultado: alguma hora teremos o segundo efeito "Dragon Ruler" no jogo e ai sim teremos um Tier Zero de novo. E sabe o que vem depois? O jogo vai voltar ao normal depois de uma banlista forçada (quem viveu a Era DR sabe bem o quão brutal foi a lista pra cima dos dragões) e o ciclo vai se repetir. O pessoal que reclama do Meta atual parecem crianças que nunca ouviram falar da Segunda Guerra Mundial e que acham que o mundo é as 1000 maravilhas.

 Se o Meta hoje em dia não é um problema tão grave, porque reclamam tanto? Será porque as pessoas estão jogando o Yu-Gi-Oh! da forma errada? Quem aqui quer que o deck vença Deus e o mundo só com as cartas do arquétipo ou que tenham um mínimo de sinergia levanta a mão. Se alguém levantou a mão, parabéns, você está jogando o jogo da maneira errada. Esses dias eu tive o maldito prazer de duelar contra um cara que reclamou de eu usar muita carta armadilha, queria dar uma voadora no pescoço dele, mas no fim eu só respondi: "Isso é a coisa mais comum no jogo, cara, se liga." Se tem uma coisa que eu amo no Yu-Gi-Oh é como ele não é um jogo unilateral: você pode jogar até mesmo no turno do oponente (outros TCGs, como o Pokemon, por exemplo, no turno do cara tu só olha ele jogar), na verdade, tu tem quase até mais controle do jogo no turno do cara, porra, isso é genial. Mas muita gente se esquece desse detalhe, ou porque é orgulhoso (lê-se mimado) e acha que o deck e ele mandam no jogo todo sozinho ou porque quer que o deck dele rode independente do oponente permitir ou não. Isso é ERRADO! Um dos objetivos mais importantes do Yu-Gi-Oh!, em alguns decks 'O mais importante', é atrapalhar o desenvolvimento do seu oponente enquanto você acelera o seu jogo, certas cartas armadilhas fazem isso muito bem. E ainda se o deck do oponente for realmente chato de counterar existem cartas mais específicas ainda para o serviço: Mistake, Shadow Imprisioning Mirror, De-Fusion e a lista só cresce. Saia dessa cadeira do comodismo, liberte-se do seu espírito purista de querer rodar tudo o que a Konami diz que é bom, adapte seu deck para que ele se dê bem contra qualquer oponente. Se seu deck apanha para destruição em área: tu vai aprendendo, começando desde cartas ruins, tipo Anti-Raigeki, até cartas melhores, como Starlight Road. Só pelo amor de Deus, não fique parado esperando que os deuses tenham que te ajudar a ganhar o jogo sem você merecer isso, essa é a maneira ruim de jogar o jogo. Seja malandro, use Meta Call se preciso, saiba manejar o seu deck para que ele fique mais competitivo e consiga bater de frente com o Meta. Seguindo esses exemplos tu vai ver como o Meta atual não é essa besta de 7 cabeças como dizem, só não queira competir de igual pra igual, isso é egoismo, aceite que seu deck não se compara ao topo e contorne esses problemas.


------------------------------------------------------------

 Brigar por causa do 4fun x Meta é quase tão escroto quanto fãs de Mamão brigarem com fãs de Manga (sou do time da Manga, melhor fruta), não tem motivo você se estressar mais ainda só porque o jogo não é do jeito que você quer que ele seja, nada nessa vida é cortadinho para aderir perfeitamente ao tamanho da sua boquinha, nem mesmo hobbys. Se você quer jogar de um jeito especial, com regras que vão lhe alegrar mais, monte um grupo pra isso, como eu disse no meu post sobre Fluffal: não entre na realidade com uma mentalidade fantasiosa, crie uma valva de escape e monte o seu próprio mundo fechado. Só não vá impôr ele pra cima dos outros, hein.

 Eu tenho certeza que mesmo com tudo o que eu disse aqui ainda vai ter um pessoal teimoso querendo argumentar contra, não vou ser um cuzão, quero mesmo que eles defendam suas opiniões aqui nos comentários. E para os leitores que concordaram comigo vou pedir para que esqueçam os rituais padrão, a prioridade agora é passar a mensagem pra frente: Tem um amigo seu que vive te enchendo o saco por causa dessa rinha imbecil no jogo; mostra esse post pra ele. Tu tá num grupo onde só ficam reclamando do Meta: mostra esse post pra eles. Tu tá duelando com um brasileiro que começa a falar mau só porque você usa um deck mais forte; mostra esse post pra ele. A comunidade precisa de mais membros que compartilhem informações e que buscam ensinar o pessoal não só pra melhorar suas habilidades como também a se estressar menos com o jogo.

 Não tenham dó desse maldito redator que vos fala, se você tiver algo contra esse post, pode meter a boca no Alto-Falante e soltar a voz. Só não vamos generalizar as coisas, esse post é meu, e até o momento só eu concordo com essas ideias, independente do comentário eu vou saber defender a minha posição. Só que, por favor, ofenda os meus argumentos, não a minha pessoa, vamos evitar falácias por aqui.

 Dito tudo isso, parabéns a Burning Abyss por mostrar novamente a que veio e obrigado a todos que leram e passaram esse post pra frente. Até algum outro dia e falous!

"No fim é tudo feito de papel." Subonito Lispector

Comentários
37 Comentários

37 Comentários:

W Gamer disse:
6 de março de 2015 10:50

Faz uma delist do arquetype junk, para relembrar a epoca do 5d's com o junk warrior e o stardust dragon
Meu deck
Monstros 18
Junk sychron 3
Junk anchor 3
Junk servant 2
Junk blader 2
Junk defender 2
Junk foward 2
Speed warrior 2
Fortress warrior 2
Spells 11
Raigeki 1
Sychron blast wave 1
Dark hole 2
Scrap fist 1
Tuning 2
untable evolution 1
Ligthing vortex 2
Swords of revelant light 1
Traps 11
Mirror force 2
Botomless trap hole 1
Scrap iron statue 1
Scrap iron scare crow 2
Dimensional prison 2
Wicked rebirt 1
Estra deck 15
Junk warrior 2
Junk berseker 2
Junk destroier 2
Junk archer 2
Junk guardna 2
Stardust dragon 2
Stardust spark dragon 1
Dark strike fighter 1
Catapult warrior 1

W Gamer disse:
6 de março de 2015 10:56

Se puder me diz umas melhoras

Fairchild disse:
6 de março de 2015 11:27

É, seu Sub. Por mais que nunca tenhamos conversado, conheço - e admiro - seus posts há bastante tempo, desde a época do 5D's, e já te acompanhei em alguns blogs. Sempre vale a pena ler cada frase, cara, mandou SUPER bem. Parabéns pelo conteúdo, é interessante ler um artigo desse nível sobre um assunto que poderia ter gerar uma discussão sem fim aqui nos comentários.
Uma pena mesmo todos esses parágrafos não serem senso comum entre os jogadores, chances de mostrar pra Deus e o mundo pode ter certeza que eu vou ter sim, ah, se vou!
O jogo é grande o suficiente para comportar a dicotomia Meta-4Fun, e pensar nele como uma pirâmide nem de longe é algo negativo ou invalida os decks que não estão no topo, acho legal isso. Mas saber escolher o cenário que te agrada mais é realmente importante, achei esse um ponto bem interessante da "conversa".
Keep it up!

E taqueopariu, viu. Desde quando manga é melhor que mamão!? =d

Rodrigo Rodrigues disse:
6 de março de 2015 12:10

Não sabia que BA tinha topado kkk isso só mostra que mesmo nekroz, um deck top pode ser batido. É ridiculo classificarem os metas como "deuses", Lembrem-se que kratos como humano matou deuses u.u kkk Cara, jogo de Hieratic e sei que não é um deck que vá topar, construi ele de um jeito que eu me divirta atrapalhando o oponente e inclusive já ganhei de ba e shadoll com ele, nem por isso desmereci o oponente e nem chorei quando me ganharam com tais decks. Na verdade elogio eles tanto quanto eles me elogiam. É um deck absurdo? É, mas não é invencível. Não lhes tomem como tal porque nenhum é, isso é certo. Enfim, acho babaquice todo esse mimimi de "odeio meta", como foi dito no post isso é frustração. Aposto que se tivesse chances de ter um tu teria sem reclamar ou pensar duas vezes. Eu iria querer também. Só não seja hipócrita ;)

Matheus Allan disse:
6 de março de 2015 12:36

Quem não acha os dois Apoqliphot broken,é quem joga com ou usa decks que podem lidar contra (Train Deck e Frog Obelisk, por exemplo), porque tirar ele do campo por efeito é quase impossível

Joao Victor Pereira Batista De Deus disse:
6 de março de 2015 13:48

Bom post argumentos validos e deck e deck meta pode ser detonado fácil e so saber como

Joao Victor Pereira Batista De Deus disse:
6 de março de 2015 13:49

Bom post argumentos validos e deck e deck meta pode ser detonado fácil e so saber como

Leon disse:
6 de março de 2015 19:17

Concordo com tudo, exceto pela parte do Dark law. Sim, a carta não é só dos Heros, sim, a carta é do Jogo Yugioh, nesse aspecto, estás correto. Mas é basicamente o mesmo caso da dragon ravine na época dos DRulers. O ban na Dragon Ravine fudeu o deck de dragunity bonito, é quase inviável jogar de dragunity. E isso se deve a um outro deck que abusava da carta. A dragon ravine não é abusiva, ela apenas permitia que os monstros de DRuler usassem mais os seus efeitos abusivos. Então eu não acredito que isso seja justo com os players de dragunity, por exemplo. E o caso é o mesmo com os BA. limita fire lakes, limita algum BA, faz alguma coisa do tipo, mas limitar o darklaw e mask change 2 acabando com outros decks que já são fracos, sendo que existem outras alternativas pra nerfar o top tier, acho bem injusto.

luiz souza disse:
6 de março de 2015 21:06

Nossa kra c atiro pra tudo quanto e lado...kkkkkk
Mas entao,eu concordo com varias coisas que vc disse,mas tambem discordo de alguns pontos:por exemplo vc falou sobre "netdeck"
Pra mim uma das coisas mais divertidas nesse jogo e saber montar o deck,eu acho que um bom deck vence uma partida fora do duelo, na construcao do deck.e essas pessoas que pulam essa etapa do jogo e simplesmente copia um deck campeao nao pode ser chamado de duelista,olha os volcanics por exemplo pegou top 32 num YCS ,e ja tava muita gente jogando de vocanic nesse YCS,sem nem mesmo saber as jogadas direito,saber a hora certa de ativar um efeito.
Ao meu ver sim o deck faz diferenca ,mas tambem tem que ter um bom duelista por traz dele.

Warrior of Light disse:
6 de março de 2015 22:10

Fala, fala, fala... Mas seu texto não só é tão egoísta e impositor quanto aqueles que critica como também não é nem um pouco imparcial. Como vem falar que é uma guerrinha tola se você por si só critica apenas um lado? O que te difere das outras pessoas nessa "ação" em um texto um tanto quanto frustado da sua parte? Ora, está botando lenha na fogueira, atacando, tanto quanto qualquer um.

Você defende o competitivo de forma nítida, então não finja que está na linha "neutro" quando suas ações não demonstram isso.

Kyo Kusanagi disse:
6 de março de 2015 22:16

Nossa, quanta síndrome de verdade absoluta! Calma rapaz, da mesma maneira que o mundo ou o jogo não funciona para os outros como eles querem. Não funcionam como você quer também, se olhe no espelho antes de falar das pessoas.

Você foi tão longe que até ditou como as pessoas deveriam agir com a realidade, você não é dono da verdade e da vida de ninguém você é só "mais um" no mundo.

subonito disse:
7 de março de 2015 00:16

Respondendo as criticas primeiro:
@Warrior of Light: Antes de mais nada, não existe um texto, uma obra de arte, uma música, qualquer coisa feita por alguem que seja imparcial, mesmo uma notícia existe um ponto defendido entre as entrelinhas do texto. Ninguém é um robo, cada um tem seu ponto de vista.

Se você não percebeu, o meu post todo segue uma linha de raciocínio, eu comento parte a parte o meu ponto de vista e sim, eu sou prol ao competitivo, não se sinta especial por ter visto o óbvio. E não é porque eu prefiro o competitivo que eu sou excluído de comentar sobre um assunto que nem devia existir no jogo. Você ai que joga no outro time (o 4fun) podia ter argumentado mais sobre o porque meu post está equivocado e não somente falar mal do jeito sarcástico que eu o escrevi (o que eu tinha dito sobre falácias antes de encerrar o post mesmo?).

Pior, nem mesmo a pergunta principal você levou em consideração: Vale a pena mesmo brigar por essa picuinha de Meta x 4fun? Se você tem algo contra o que eu disse o post todo (criatividade não existe; variedade num cenário competitivo é idiota; as cartas não são feitas para um deck em específico, mas sim para o jogo como um todo; não existe motivo brigar por causa de um deck ser melhor, pois o jogo nunca chegará em uma estabilidade) argumente, por favor. Não tente ganhar um debate rebaixando o outro que fala.

Digo o mesmo pra @Kyo Kusanagi, só que ele disse um trequinho a mais: ditar? agora eu sou um ditador opressor que quer ver as pessoas jogarem competitivamente até a morte? Porra, eu preciso falar de novo o que eu já disse em dois posts? Se você quer ir contra o fluxo (jogar para se divertir), crie um grupo pra isso. Uma parte do post eu discorri a respeito de que o Yugioh é um jogo feito para VENCER, ou seja, COMPETIR, se você quer ser revolucionário querendo que tudo seja diversão e as 1000 maravilhas, reclame com a Konami, não criando tretinhas infelizes e desnecessárias pela comunidade de Ygo só porque você não gosta de como o jogo É!

Antes de mais nada, se vocês só jogam online vocês já estão fazendo uma puta revolução. Falar palavras bonitas até eu sei, se não perceberam. Mas defendam seus lados com argumentos, não tentando dizer o que o meu post claramente não é.

Vou traduzir o que eu disse no final do post: Vale mesmo a pena brigar por cartinhas de papel? DE PAPEL!!! ;=;

subonito disse:
7 de março de 2015 00:54

Agora respondendo aos demais comentários:
@Matheus Allan: Concordo que não é todo deck que consegue lidar com um Apoqliphoth, mas ele não vive 100% do duelo no campo, você não precisa arrumar o deck para tirar ele de lá, basta impedir que o oponente invoque ele. E você nem precisa ir tão longe para fazer isso (Torrential Tribute, Mystical Space Typhoon e a lista só continua.).

@Leon: Eu também fico com "dó" dos decks afetados, mas se a carta pode ser abusada é bom dar um corretivo nela. Se a carta pode ser abusada é porque ela tem falhas (seja falta de restrição, condição ou facilitando demais algum outro deck a se desenvolver) e se ela tem falhas é melhor tirar ela de circulação (não é assim que a Konami pensa, mas gostaria que fosse). Vale lembrar que Dark Law e Ravina são casos diferentes: Ravina veio antes de Dragon Ruler (a carta mau pensada foram os próprios dragões então, que já aprenderam a lição de casa), enquanto Dark Law e Change 2 vieram depois de Burning Abyss (as cartas mau pensadas foram essas remessas de HERO então).

@Luiz Souza: acho bem interessante o jeito com que você vê o ato de montar um deck, mas isso não faz com que Net Deck seja algo negativo. Pensa nas pessoas que tem pouco tempo diário pra jogar: quer que elas comecem tudo do zero de um deck até poder jogar com eles da forma que deseja? E o pessoal que não entende como um deck funciona: vai obrigar os caras a começarem do zero mesmo não entendendo absolutamente nada? Não é assim que funciona, o Net Deck é importante pro jogo e principalmente pros jogadores, não devia ser visto com maus olhares. Claro que tem o pessoal chatinho que só faz Net Deck pra vencer sem necessariamente merecer isso, mas é fácil relevar, os números são poucos. E outra: um simples "Ei, qual carta eu coloco nesse deck?" já é, de certa forma, um Net Deck (você está tirando informação de outra pessoa, só que dessa maneira de forma direta)... ou como podemos chamar, Net Card? ;=;

Felipe Leonel disse:
7 de março de 2015 01:56
Este comentário foi removido pelo autor.
Felipe Leonel disse:
7 de março de 2015 01:58

Eu sempre defendi ideias muito parecidas e até já falei de assuntos assim na Yu-Gi-Hoje!. Quem me conhece, sabe que sempre apreciei o Meta, pois pra mim, jogar competitivamente é o meu jeito de me divertir. Cada um tem o seu jeito, certo?

O mal do egoismo é que as pessoas nunca enxergam que ninguém é igual a ninguém. Se todo mundo entendesse isso, talvez não existiria a necessidade de se discutir um tema como esse e muitos outros por ai.

Yu-Gi-Oh! é um jogo tão vasto que ninguém precisa se prender a um tipo de modalidade também, dá pra jogar de diferentes jeitos. Bobo é quem não percebe isso. Culpa de quem? Do egoismo e do orgulho.

Jogando Yugi a tanto tempo, aprendi que dá pra jogar de diferentes formas e me adaptar a situações, pois sei que nem todo mundo gosta de jogar do mesmo jeito que eu, por isso creio que é muito importante não se prender a uma coisa só, além de é claro, ter respeito aos diversos tipos de pensamentos.

Sou muito a favor de postagens que transmitam ideias/formas de ver as coisas, isso é muito bom. Parabéns.

Labyrinth Wall disse:
7 de março de 2015 05:55

Eu confesso que já fui desses mimizentos citados nessa postagem, mas com o tempo fui aprendendo que o mundo não girava ao meu redor, hoje infelizmente não consigo mais jogar no competitivo e também não tenho condições de agregar ao competitivo, então infelizmente estou quase encostando o deck na gaveta até ver o que acontece no futuro. =/

ótimo post subo, preciso mostrá-los para um bocado de pessoas.

Kirito Norris disse:
7 de março de 2015 10:31

Eu amo o meta. Não para jogar com ele, mas sim para derrota-los com Mermail,não tem coisa melhor =3
~~Gatsuu

Anderson Fernandes Moreno disse:
7 de março de 2015 18:47

Bem ótimo post SUB e eu sou pro o 4fun porque gosto de colocar cartas que eu gosto (seje por causa do efeito; imagem da cartas ou raridade que eu tirei em um booster). Porém respeito o mundo competitivo ( fico com raiva por causa da KONAMI fazer cartas tão abusivas, mas fazer o que se não fosse ela não teria esse jogo de cartas que eu tanto amo).
E quanto essas tretas (como META vs 4fun) que acontece eu nem ligo, sigo o que gosto e me divirto respeitando ao próximo (porém que da raiva dessas tretas da).
E SUB continue fazendo artigos bons como esse.

Guilherme Lerry dos Santos disse:
7 de março de 2015 18:48

Eu concordo plenamente. Eu não sou MetaGamer, dificilmente monto um deck que custe muito caro, com exceção de Satellar (que nem é meta) que eu montei por que eu GOSTO do deck. Meu Deck preferido é Utopia ZW e imagina que louco seria vencer um torneio usando esse tipo de deck, perco constantemente, mas e ai? Eu jamais perco meu tempo chorando só por causa disso, quanto mais forte mais incrível ainda seria ganhar. Perder faz parte e tá na hora desse pessoalzinho chorão crescer e começar a aceitar esse fato ao invés de ficar inventando desculpa;

Guilherme Lerry dos Santos disse:
7 de março de 2015 18:51

Mas eu choro pacas quando uma carta é limitada ou banida por causa dos decks fortes e isso acaba ferrando meu deck 4Fun. Vou chorar demais quando Noden fizer Instant Fusion ser limitada, vou chorar pra caramba asuhsauhsahusuahuhsa

Warrior of Light disse:
7 de março de 2015 20:04

Argumentar? Eu me pergunto se em algum momento da história da internet valeu a pena argumentar contra um texto cheio de ódio e ataque, os resultados sempre terminaram da mesma maneira. Mas veja o modo como você define as coisas. Diz que algo não existe, diz que as pessoas devem fazer tal ato se elas não gostam. Com concordo com o outro rapaz, você dita regras de como o mundo deveria funcionar. Minha critica não é nem relacionado a briga entre dois grupos e sim como você os critica mas para isso precisa agir da mesma maneira.

Vale a pena brigar por uma cartinha de papel? Eis a questão que você colocou e eu te respondo, veja o texto cheio de ódio e imposição que você fez. Acha mesmo normal que questione isso depois do seu ato? Você é contraditório...

Critica um lado por exibir ódio, mas exibe esse mesmo ódio contra o outro lado. Diz que o mundo não funciona da maneira que as pessoas querem, quando ela também não funciona do seu. Diz para o outro lado se fechar em seu mundinho e deixar o outro lado em paz, mas o seu lado não faz o mesmo e você está aqui agora criando essa tempestade. Chama as pessoas de hipócritas, mas está fazendo exatamente uma hipocrisia.

Se ainda não me entendeu, vou tentar resumir da forma mais simples possível:
Você critica as pessoas por certos atos, quando seus próprios atos em nada se difere do que está criticando.

Este, é o seu problema.

E então meu amigo? Vale mesmo a pena botar suas frustrações em um texto do site e criticar ações alheias por cartinhas de papel? DE PAPEL!!!

Jin Kazama disse:
7 de março de 2015 20:11

Gente, que isso!!! Para que tudo isso? =O

Porra não é meio feio esse tipo de situação no site?

subonito disse:
7 de março de 2015 20:29

@Warrior of Light: O QUÊ?! EU ESTOU NO ATAQUE?! Mano, leia o titulo do post de novo, por favor: EU ESTOU DEFENDENDO O META QUE É VÍTIMA DE ARGUMENTOS QUE NÃO GERAM NADA ALÉM DE ESTRESSE! ;=;

Ódio? O meu post só tem sarcasmo, você interpretou todos os meus comentários ácidos como se fossem diretamente relacionados a quem reclama do Meta, o que não é verdade. Se você não percebeu eu argumentei o post todo sobre o porque cair matando em cima do Meta é algo imbecil de se fazer (e ainda fui esclarecendo cada pedaço do porque essas críticas estão equivocadas), mas fiz isso de uma maneira sarcástica, justamente para não deixar ninguém da oposição inquieto. Queria ter visto argumentação do seu lado, mas você só quer destruir meus argumentos com as minhas próprias palavras, nem sempre só isso é necessário.

Cara, se você acha que o que eu disse está errado, me MOSTRA porque está errado: "Ah, vale a pena reclamar do Meta por causa disso, disso e disso". Não sei que tipo de experiência você passou em relação a argumentação na internet, mas essa é a base de qualquer debate sólido. Eu já fiz a minha parte, e você?

E não, eu não te entendi: você está dizendo que eu não estou ajudando em nada a acabar com a guerrilha trouxa de Meta x 4Fun, mas você está defendendo que ponto? Até agora eu só vi você falando mal do meu post e dizendo que meus argumentos são inválidos só porque eu escrevi o post cheio de alfinetadas aos críticos do Meta Game (não faz o menor sentido os meus argumentos estarem equivocados só porque eu o que não faz o menor sentido). Cadê mais sobre o assunto? Não é porque você me acha hipócrita (o que eu já mostrei que não passa de uma interpretação extremista sua) que você fica livre de não comentar sobre ele.

E você retomou o verbo Ditar, que fofo da sua parte: SE EU QUISESSE DITAR ALGUMA COISA, EU COLOCARIA UMA ARMA APONTADA PRA SUA CABEÇA AO INVÉS DE APRESENTAR MEUS ARGUMENTOS PASSO A PASSO PARA QUE TODO MUNDO ENTENDA. NÃO ACHA? Opa, acho que agora sim eu fui meio opressor e ditador. Sentiu a diferença?

Kimer disse:
7 de março de 2015 20:34

Espero que eu esteja interpretando errado, mas o seu texto dá a entender que se divertir em um cenário competitivo é um pecado...

Guilherme Lerry dos Santos disse:
7 de março de 2015 20:38

@Kimer Não foi isso que eu entendi. Ele diz bem claro numa parte lá que "todo mundo se diverte de um jeito". Então atualmente muita gente se diverte com esse cenário competitivo.

subonito disse:
7 de março de 2015 20:43

@Kimer: Não é que seja um "pecado" (interpretação um pouco exagerada demais), mas ela vai contra a natureza do jogo que é a competição. Você pode montar o deck mais 4fun que for, mas você vai montar ele funcional com o objetivo de vencer (competição). Muita gente se frustra achando que tudo deveria ser em prol da diversão e começam a falar mau de tudo e do meta (quando muitas vezes não passa de pura frustração) e isso só gera mais e mais estresse num jogo já cheio disso.

Como autor eu digo: não queira bater de frente contra algo que você não sabe se vai sair feliz ou não. Se você estiver só afim de se divertir você vai saber com quem e contra o quê duelar (eu sempre cito sobre montar grupos para se divertir pro pessoal não dar a cara a bater e sair frustrado depois).

Luiz Temujin disse:
8 de março de 2015 10:04

A única coisa que eu odeio no meta game é o preço... Y u no reduz o preço, Konami?

Gabriel Andrade disse:
8 de março de 2015 10:35

AFF. . perdi um comentário enorme e tô com preguiça de digitar de novo...

Bem, ótimo post cara!

Essa briga entre 4Fun e Meta é dr dar nos nervos! Jogo com qualquer deck que eu goste , do mais desprezado Toon, aos Aclamados Blues Eyes e Dark Magician, até com os odiados Lightsworn e Burning Abyss... Enfim, o 4Fun tem a Variedade como ponto principal, e o Meta tem a competitividade, mas de qualquer lado, o que realmente importa é a Criatividade e Habilidade individual e de grupo, afinal, Yugioh não se joga sozinho rsrs

Adson disse:
9 de março de 2015 14:48

Concordo com alguns pontos, discordo de outros.

Começando com, todo jogo tem o objetivo final de se ganhar, porém hj ele não é o objetivo principal. Jogar Yu-Gi-Oh pra como objetivo principal ganhar não faz sentido, existem milhões de outros jogos por aí, todos o mesmo objetivo: Ganhar. Então pq vc escolheu Yu-Gi-Oh? Simples pq vc gosta de jogar ygo, se não fosse isso, pq então estaria aqui? Se isso ainda fosse um jogo onde vc fosse obrigado a jogar, e ainda valesse sua vida(Joguinhos das trevas valendo a alma -q), aí poderia dizer que o objetivo principal é ganhar, mas não, jogar ygo é uma opção e por isso ao escolher jogar yugioh primeiramente vai por gostar de jogar depois querer ganhar.

Depois nesse texto muitos jogadores 4fun estão sendo distorcidos por babacas egoístas que apenas pensam no seu próprio jogo. Eu jogo 4fun, e sei que muitos que jogam 4fun entendem que isso é gosto do que te atrai no yugioh. E o que me atrai no yugioh é a variedade e as diferentes coisas que podem acontecer em um duelo(por isso odeio mirror match e amo tags).
Eu mesmo gosto do 4fun, pq vc não fica preso nos mesmo decks toda hr. Quem afirma que o meta é ruim não joga outros jogos, pq em qualquer jogo com torneios e alguém almeja a vitória é claro que vai querer usar os melhores meios, e quando esses meios são comuns, temos o meta, isso em qualquer jogo de "PvP".

Acho que de discordar só isso, resto concordo e muito, como no caso do Net-Deck e a pessoa se incomodar pq perdeu pra um dek meta.

Acredito que o principal motivo do Rage atual é que não teve mudanças no meta, eu mesmo to achando desmotivante cada vez mais o meta ainda mais com essas banlist sem sal, tudo bem temos acho que 7 decks considerados meta, isso é bastante, mas para outros decks, ta faltando uma boa lista pra reequilibra nem que seja um pouco o meta.

Só mais um adendo, o meta é muito necessário, pois é nele que muitos decks se baseiam para vencer.

Gabriel Souza disse:
9 de março de 2015 17:55

Serei sincero, mudou meu modo de pensar sobre o meta.
Com essa sua genialidade, vai acabar roubando o lugar do William Bonner hein

Firewest disse:
10 de março de 2015 01:36

Um post de mimimi reclamando de mimimi? haushaushuahs

Emerson Martins disse:
10 de março de 2015 09:33

@Firewest, realmente não passa de um post de mimimi para quem lê, mas para quem entende da para ver a veracidade nos argumentos.

TheJiBaN disse:
11 de março de 2015 00:06

Se forem comentar algo... sejam como o Adson (esse garoto é o cara). Btw @Adson, seu comentário foi bem enriquecedor e acho q ilustra o ponto de vista de vários jogadores, como eu. Eu não escolheria uma forma melhor de dizer a mesma coisa. Só pra botar uma pimenta na parada, boatos que o autor do post, que defende o meta, só joga 4fun, digamos que tenho boas fontes a respeito disso ;p

subonito disse:
11 de março de 2015 00:42

Porra, se o Jiban falou, tá dito. ;=;

Mas só pondo uns pingos nos "i"s do comentário do Adson: muitas vezes a pessoa não joga o jogo porque gosta dele (ou da diversão que ele proporciona); mesmo que tenham milhares de outros jogos competitivos com o objetivo da vitória • as vezes o jogador consegue se sair melhor no Yugioh e por isso prefere ele, • outras vezes ele acha menos trabalhoso (gasta menos tempo, gasta menos recursos pessoais, etc etc) conseguir resultados • ou quem sabe o cara acha mais viável Yugioh do que outros jogos (seja pelos premios de torneios ou da rentabilidade das cartas, o que é meio de difícil).

Não é uma regra que as pessoas joguem pela diversão, mas ,principalmente pro pessoal que só joga online, esse é um dos motivo de ainda estarem jogando justamente Yugioh.

@Firewest: desde quando o fato de eu estar de mimimi cancela minha argumentação? Não sei nem porque eu tou respondendo esse comentário, mas não vou deixar nenhuma crítica passar :X

Marcondes Gabriel disse:
13 de março de 2015 23:11

Muito bom o post, eu apesar de não usar um deck meta como meu titular, acho que muito deles estão sendo injustiçados pelos "chorões" mandado o Nekroz para aquele canto e talz, mas a verdade é que ao invés de ficar choramingando por perder e ficar praguejando o pobre Achertype, eles deviam contornar a situação e modificar o deck para o estado atual, afinal Side Deck tá aí pra isso!!

luiz carlos da silva sobral Sobral disse:
4 de abril de 2015 20:45

Cara muito foda o post

sinceramente ele respondeu muitos questionamentos que tinha, eu joguei em alguns campeonatos e acabava me frustrando um pouco por que não ganhava nenhum campeonato e tipo reclamava muito do meta eu já vi alguns posts parecidos como esse no face e sinceramente o que acho e que ao invés de um player que perde pra um meta se desanimar ou não gostar do meta ou duas coisas ou vc investe meios de contraatacar o meta ou cria grupos que não usem o meta eu sinceramanete eu não sou o tipo de jogador que foi feito pra competir não pelo fato de por exemplo investir num deck competitivo ou por que odeio o meta e sim por que tem aquela questão vc gasta um dinheiro absurdo num deck top e depois ele toma uma banlist ou depois aparecem novas cartas e ai esee deck não e mais o mesmo o grande problema de se investir no competitivo e esse. Mas e aquela questão que gosta goste e pra ser franco nos não devemos reclamar se alguém usa um deck meta ou não meta troll ou seja o que for vc tem que tá preparado pra enfrentar qualquer deck perdeu ajusta seu deck ao invés de vc ficar chorando como um babaca o que acho e isso.

Adrian disse:
27 de junho de 2016 00:55
Este comentário foi removido pelo autor.