15 de fevereiro de 2015

Here Comes a New Card #61: Clear Wing Synchro Dragon


 Eae pessoal, blzinha? Enfim de volta com o Here Comes a New Card de vez. Já era tempo de eu excluir os diabinhos do rascunho e das ideias mal desenvolvidas e começar algo novo do zero. O último post não foi tecnicamente um HCNC, então pra voltar as origens eu estou usando esse aqui.

 Das cartas mais recentes eu fui escolher justo a mais velha para falar, não façam birra, por favor. Eu sei que todo mundo gostaria de ouvir sobre Cyber Dragon, Zefra, Infernoid e quem sabe Shaddoll, mas eu optei por seguir por uma rota mais segura e concisa. Quem sabe no futuro eu não fale dos decks que todo mundo quer ouvir sobre, nem eu sei. Clear Wing foi escolhido por N motivos, dentre eles um que acarreta o jogo como um todo, vou deixar esse pro final, então se você achar que tudo o que eu digo não está saindo dos padrões óbvios, pular para  a última parte pode ser uma boa ideia.

 Dado todos os avisos, hora de manter nossas mentes abertas e limpas e cair com tudo no assunto:


Clear Wing Synchro Dragon
Nível 7 / WIND / 2500 ATK / 2000 DEF
Dragon / Synchro / Effect
1 Tuner + 1 or more non-Tuner monsters
Once per turn, during either player's turn, when another Level 5 or higher monster on the field activates its effect: You can negate the activation, and if you do, destroy it. Once per turn, during either player's turn, when a monster effect is activated that targets exactly 1 Level 5 or higher monster on the field (and no other cards): You can negate the activation, and if you do, destroy it. If this card destroys a monster by its own effect, it gains ATK equal to the original ATK of the destroyed monster, until the end of this turn.





O estado mental da evolução.

 Clear Wing Synchro Dragon é uma das counterparts do Odd-Eyes Pendulum Dragon no anime do Yu-Gi-Oh! Zexal. Essas counterparts possuem uma importância significativa pra trama, mas nada foi abertamente apresentado sobre elas. Cada uma delas estão nas mãos das versões de outra dimensão do personagem Sakaki Yuya (que possui o Odd-Eyes, monstro original das counterparts) e cada um deles se é especializado em um tipo diferente de invocação. Até o momento só foram apresentados os dragões das invocações Pêndulo, Xyz e Synchro.

 Além de possuir semelhanças com a Duel Runner de seu usuário, Yugo, Clear Wing pode ser uma referência ao estado Clear Mind, apresentado em Yu-Gi-Oh! 5D's. Esse é um estado de mente fictício em que o ser humano possui total controle sobre sua Ener-D (espécie de energia vital) e está em alta velocidade (proporcionado pelos Riding Duel), esse estado é necessário para invocar a evolução das invocações Synchro: a Accel Synchro, uma invocação Synchro que utiliza 2 ou mais monstros Synchro. Provavelmente o Yugo vai utilizar essa forma de invocação em algum momento do Arc-V, mas até agora estamos sem pistas de quando vai ocorrer, mas vale a teoria pelo menos.


Auto-Proteção é a fórmula do sucesso?

 Yu-Gi-Oh! é um jogo rápido, isso é inegável, a única regra com teor restritivo no jogo está em relação as invocações normais. Fora isso você pode até mesmo ganhar o jogo no primeiro turno. A velocidade do jogo é um fator que define muita coisa: desde o quão poderoso um deck é até detalhes nas entre linhas dos efeitos das cartas. Acha que eu estou maluco? A cada coleção nova que é lançada a Konami fica de olho no jogo e como ele é jogado, a partir disso ela consegue criar "vícios" nas cartas. Para exemplificar: não acha que está sendo comum de mais cartas com dois efeitos e você só pode ativar um por turno? Esses vícios são usados para explorar o máximo possível o ambiente em que se encontra o card game, cada época do jogo teve seu tipo de vício, na época do Yu-Gi-Oh! GX tinham bastante monstros que se invocavam tributando especificamente uma certa carta. Por que será que isso sumiu com o tempo? Não seria porque esse vício não funciona tão bem com jogo atualmente? Pensem um pouco.

 Hoje em dia o jogo está tão rápido que podemos limpar campos e destruir jogadas em instantes, a partir dessa análise a Konami descobriu um modo de minar lucros dos jogadores com novas cartas: os benditos efeitos de Auto-Proteção. Essa prática se tornou popular por alguns motivos:

• Como já dito: o jogo evoluiu a tal ponto em que arrasar o jogo do oponente é uma tarefa fácil. Monstros que se protegem sozinhos podem evitar tal efeito.

• Vantagem se tornou uma palavra importante pro jogo: quanto mais cartas a disposição mais jogadas você possui, ou seja, mais rápido você pode desenvolver o seu jogo e alcançar a vitória. Monstros que se protegem conseguem ajudar você a segurar a vantagem nas suas mãos sem deixar o jogo se espatifar no chão.

• Não é todo deck que consegue lidar facilmente com criaturas com esse efeito: aqui entra mais na parte do "lucro pra empresa". Já que não é todo deck que encara de frente essas pestes, que tal criar decks/cartas que estão aptos a realizar o serviço? A oferta e procura fará o resto do capitalismo e o lucro virá em segundos.

 Ainda existe uma variante desse efeito conhecido como Toolbox. Um tipo de efeito em que quando carta X é removida de campo ela pode evitar de o jogador perder a vantagem de jogo buscando ou invocando uma outra carta. Esse é um outro vício muito mais comum que efeitos de auto-proteção: Shaddoll, Burning Abyss, Yang Zing, Saqlifice... Estou esquecendo de algo? Provavelmente tem mais milhares de exemplos para isso.

 Estou aqui falando com tanto afinco sobre um "problema" do jogo e quando eu chego pra falar da carta do post ela se torna um mau exemplo. Clear Wing Synchro Dragon tem alguns probleminhas mesmo seguindo a risca os ensinamentos da Auto-Proteção: a condição de ativação de seu efeito é um nitpicking que vai incomodar várias vezes, ele só se protege de monstros. "Porra, isso torna ele ruim? Tu é pirado mesmo" Monstros são a classe principal de cartas do jogo e atualmente eles estão cada vez mais auto-suficientes para atrapalhar o oponente, mas as melhores cartas para retirar cartas de campo sempre foram as Magias e Armadilhas. Isso torna o coitado uma carta fácil de se contornar, ele nunca vai ser uma carta decisiva por causa desse efeito. Mas isso não o torna uma carta ruim, em nenhum momento eu disse isso, ele somente vai ser menos bom, são coisas diferentes.

 Agora, respondendo a pergunta do tópico: Auto-Proteção é sim uma fórmula do sucesso e não a fórmula. Mas a definição de fórmula do sucesso no Yu-Gi-Oh! é relativo, depende de formato pra formato, depende de que tipo de deck tem no mercado e depende de que nova mecânica está em alta. Vou ser sincero, eu não gosto desse tipo de efeito, é uma saída fácil para criar cartas úteis, você sente competitividade fluindo da carta, mas não sente uma ideia bem bolada, é só uma carta que segue um padrão que dá certo. Por isso mesmo que eu acho que saem cartas que destroem formatos, eu não sinto que a Konami esteja pensando nas cartas que faz, apenas segue um fluxo que funciona na maioria das vezes. E quando eu falo de destruir formato eu não estou falando de Burning Abyss, Shaddoll ou Nekroz, abaixem a bola o pessoal que não gosta desses decks algum dia eu vou defender eles em um post.


Restrição de nível em pleno 2015, que vergonha.

 Quando Xyz surgiu, um marco no jogo foi criado: ele é a linha que separa o passado do futuro. A criação do termo Rank fez ocorrer e ainda faz acontecer muitas mudanças no jogo, criou novas saídas para cartas estilo Gravity Bind e mostra um novo modo das cartas afetarem os monstros, cartas agora podem afetar o Rank dos Xyz. Inovador, velho! Porém alguém não deve ter percebido que o futuro está na nossa frente e criou uma carta que parece ter sido feita no passado: porque o primeiro efeito do Clear Wing tem aquela restrição do monstro ser Nível 5 ou maior? Isso é inadmissível no estado em que o jogo está atualmente, eles descaradamente tiraram o potencial de um monstro com uma restrição ultrapassada. Eu não estou reclamando do "5 ou maior" estou reclamando por somente ter o "Nível". E se você acha que a carta seria absurda sem essa restrição leve em consideração que ele é um Synchro, isso foi um spoiler do ultimo tópico, mas é um dos meus argumentos.

 Fora esse detalhe maldito o efeito do Clear Wing é ótimo, ele te ajuda a controlar a zona de monstros e evitar que o oponente tente abrir uma vantagem com monstros brutos. E de quebra ele faz funcionar o último efeito que não é a coisa mais genial do universo mas quando vier a calhar pode ser uma boa arma ase usar contra o oponente... Que foi? Espera que eu fale mais alguma coisa sobre esse efeito? Não tenho mais o que falar aqui, se quiser compartilhar alguma ideia, fique a vontade. Passando pro assunto que eu tinha citado lá no começo.


Synchro em pleno 2015, que honra.

 Ah, Stardust Dragon, seu nome nos remete a grandes glórias do passado, como esquecer da Era Synchro, o ponto de partida para que o jogo chegasse a velocidade em que está hoje em dia. Todos os decks procuravam usar monstros Synchro para ter um arsenal forte diversificado para conseguirem a vitória. Os Synchros pioneiros, como você Stardust, jamais vão ser esquecidos do jogo... ou vão?

 Se tem uma invocação mal aproveitada nos dias atuais ela é a invocação Synchro, sem duvida nenhuma. Synchro se tornou um recurso para poucos e que não é tão decisivo assim, todo o poder e toda a tradição dessas criaturas foram reprimidas pelas demais invocações, mas principalmente pela Xyz. Não é nenhum mistério aonde eu quero chegar aqui: durante boa parte do Yu-Gi-Oh! Zexal os monstros Synchros não apareceram em coleção alguma e é claro que isso foi para fazer vender os Xyz, a novidade no mercado. Essa pausa na produção dessas criaturas custou muito para as mesmas, elas estão atrasadas no jogo, uma vez que a sua evolução não foi contínua (assim como foi com os Xyzs que só continuam a crescer mais e mais).

 É verdade que os Xyzs são mais versáteis que os Synchros, mas isso não é motivo para a abolição deles de decks comuns. Tudo o que um deck Synchro precisa de diferencial é uma cartinha Tuner, não devia ser esse sacrifício todo colocar Synchro como se fossem staples num deck, mas é. Vou organizar novamente meus argumentos:

• Xyz estão anos luz distantes dos Synchros (em competitividade, versatilidade e facilidade de invocação): ambos surgiram com o mesmo propósito, dar uma nova saída para decks fracos de Main Deck, mas um deles superou o outro indescritivelmente. É claro que tem coisa errada nessa história, era para ambos estarem pau a pau disputando seu espaço. Pra fazer isso são necessários duas coisas: 1º bons Tuners. 2º bons Synchros. Isso não é uma tarefa difícil, mas enquanto sair Tuners específicos e Synchros com restrições trouxas (como a que eu citei do Clear Wing), Synchro jamais vai ser uma mecânica popular entre todos os decks e sempre perderá seu pouco espaço para novos Xyz.

• Investem muito em Synchros novos, mas não em Tuners novos: do que seria a invocação se não fosse pelos monstros que fazem ela acontecer. Pode lançar o Synchro mais roubado que for, enquanto não tiver um Tuner que faça valer a pena o esforço esse bicho jamais vai ver a luz do dia. Do mesmo jeito que tem monstros que invocam outros de mesmo nível do Deck ou cemitério para fazer Xyz (Tour Guide, Wolfbark e a lista só cresce) cadê os Tuners genéricos que fazem coisas similares para facilitar a invocação Synchro? Tudo que eu vejo são bons Tuners para decks específicos, prática que devia ser mudada pelo bem da mecânica.

• Os Tuners estão desatualizados: existem sim ótimos monstros Tuners genéricos, mas numa competição por espaço não se pode ficar estagnado na zona de conforto para sempre. O mundo anda, o jogo anda, o tempo anda, ficar parado não é uma opção, ainda mais num jogo tão competitivo como o Yu-Gi-Oh!. Como um Debris Dragon consegue competir com uma Tour Guide? Não tem nem comparação.

 Clear Wing Synchro Dragon é o exemplo perfeito para eu discutir com vocês sobre tudo isso, ele é um passo na direção certa, porém só um passo não te leva ao objetivo, falta mais um, mais dois, quem sabe mais três, mas aquilo que fala mais alto é que ainda está longe. Bem longe...

 Não estou querendo causar uma revolução nem nada, só quero que vocês reflitam sobre esse assunto, sobre as atitudes da Dona Konami e principalmente no estado atual do card game. Ligando os pontos você vai chegar na sua resposta, a minha indignação já deve mostrar que ponto dessa história eu defendo. E que as palavras de Yusei Fudo sejam o futuro dos Synchros:

"Torne-se o caminho em que a luz brilha! Invocação Synchro!"

-----------------------------------------------------------------------------

 Agora sim eu posso dizer que estou de volta. Antes de mais nada, quero agradecer a todos que leram o post até aqui e também pro pessoal que pulou pro último tópico. Qualquer ponto de vista diferente, qualquer conclusão que você tenha chegado, elogios, críticas, sugestões ou até mesmo informação extra são bem vindas aqui. Mas eu gostaria que me respondessem uma pergunta em particular: O que você acha dos Synchros atualmente? Esse foi o tema principal do post mesmo, muito obrigado Clear Wing por ser a minha inspiração. 

 Agradeço novamente a todos e espero que todos tenham uma ótima semana. Até a próxima. Falous!

Comentários
9 Comentários

9 Comentários:

daniel black disse:
15 de fevereiro de 2015 16:30

Corrigindo, anime Yu-Gi-Oh! ARC-V. Você colocou que era do ZEXAL

Vicente disse:
15 de fevereiro de 2015 17:00

Muito bom o post, realmente os synchros estão fracos no formato atual, porém ainda não estão apagados. Acho muito interessante quando existe algum deck no formato atual que consegue por um synchro em campo, como o Leo, ou o Red Hot Archfiend, por que eles são praticamente monstros boss.
Cara uma saída, para que comecem a usar mais synchros é só esperar sair um deck de pendulum com penduluns turners, ai acredito que os synchros ganharão mais espaço no meta

Zamir AB disse:
15 de fevereiro de 2015 17:19

Synchros realmente estão meio apagados, justamente por isso de que teve a revolução XYZ, vamos assim chamar, mas ainda vejo muitos decks utilizando-os (eu mesmo utilizo uns 5 contando com o stardust), mas agora com a chegada do arc-v isso vai mudar porque o yugo se mostrou um ser extremamente importante nesse enredo e por ele ser um usuário de synchros, a mesma vai começar a evoluir, mas eis a questão: Quando? pelo que parece vai demorar um pouco, talvez meio ano? não sei, mas o que importa é que vai deixar de ser fraca, assim como a konami fez com as fusões que estavam topando, e quando digo topando é porque agora chegou a vez dos rituais estourarem com a chegada dos nekroz.

Agora uma classificação de como eu acho que estão nivelados os XYZs e synchros:
como os XYZs estão em constante evolução, botando em números, no momento eu os vejo como o número 80.
Já os synchros ocorreu aquela ofuscação pelos xyzs, então como foi falado no post, teve aquela pouca produção quando os xyzs estavam em "lançamento", por isso eles "estagnaram" num potencial que eu vejo em números como algo entre 45 forçando demais. Enfim, Xyzs tem muita vantagem ainda, mas espero que mude isso e as duas forças se emparelhem e compitam entre si :D isso daria um up pra konami pelas vendas e pra nós players de synchros termos forças pra bater de frente e as vezes ganhar dessas amadas e terriveis cartas negras. oaskdopaskopa

Emerson Martins de Deus disse:
15 de fevereiro de 2015 20:42

Post magnifico, subo, se fosse uma pintura seria a Monalisa(apesar de que não gosto de arte '-').

Mas acho que enquanto lançaram Xyz genéricos de Rank 4 que cada vez cobrem mais desvantagens nos decks em que ocupam espaço, não vai ter espaço para outra mecânica de Extra Deck. E é como você disse, mesmo que tenhamos Synchros poderosos, é necessário Tuner genéricos que facilitem sua invocação, o Judgment of Light começou um reinicio para os decks que usam cartas brancas, mas isso não foi o suficiente até hoje, pois parece que a Konami ainda tem um pé atrás quanto a liberar o freios que param os synchro, e não acho que seja por experiências passadas como Brionac e Trishula, já que pelo menos o Trishula já joga no OCG, só falta uma iniciativa melhor para que os Synchro voltem a ganhar foco no jogo.

Novamente, belicismo post

Guilherme Lerry dos Santos disse:
15 de fevereiro de 2015 21:29

E synchro ganhar muito suporte vai passar Xyz facinho. Xyz é muito mais balanceado no quesito efeito e por isso a facilidade de invocação é evidente. Synchro por outro lado possuem seus efeitos infinitos ou com custos irrelevantes que fazem valer a dificuldade, não rola facilitar demais pra "competir" com Xyz, mas sim aumentar a "versatilidade" pra se atualizar e só.

Adson disse:
16 de fevereiro de 2015 01:37

Post lindo e falando do tipo de carta que amo, os Synchros.

Sempre percebi isso dos Xyz darem de 10 a 4 em Synchros, ainda mais pelo fator tuners. Dizem que Synchros estão bem por terem efeitos continuos e serem "OPs", mas depois da chegada de 101 e Exciton, isso já não é mais argumento. Xyz ultrapassam Synchros tanto em versatilidade como em efeito. Outra que o jogo está tão rápido que efeitos contínuos não duram muito em campo, por isso o fato de Xyz ser "limitado" em efeitos, é irrelevante.

@Animeon: Espero que Hyuugo dê a evolução que synchro precisa pra avançar(Quem sabe um Clear Mind versátil e poderoso(difícil)).
Esperando tbm aparecer a dimensão synchro.

Higor Melo disse:
16 de fevereiro de 2015 14:32

Post legal, mas esperava um post flndo da carta apresentada e nao da situacao do jogo atualmente... me decepcionei por esperar algo e ler outra coisa. mas post bacana

Jonathan Gabriel disse:
16 de fevereiro de 2015 15:31

Ótimo post, parabéns pela análise profunda sobre os Synchrons.

Sempre achei a invocação Synchro mais divertida que a Xyz,acho que ter um esforço a mais, de ter os níveis somados, bla bla, faz com que eu fique mais animado quando consigo realizá-la. Mas é verdade que os Xyz estão muito acima dos Synchros, pelo fato de não precisarem de um monstro com uma característica diferente e por existirem milhões de suportes que invoquem monstros do mesmo nível, etc. Espero que um dia Synchro chegue a esse nível, mas acho difícil.

subonito disse:
16 de fevereiro de 2015 17:22

Os erros de escrita ou tipo esse do "Zexal" eu não vou concertar, além de não atrapalhar o entendimento do post como um todo ainda dá credibilidade ao pessoal que apontou esses erros. E também força o pessoal que está só no post a dar uma voltinha pelos comentários =P

O comentário do Higor me faz ser obrigado a pedir desculpas pra quem esperava um post super fiel a carta. Eu mudei um pouco o meu modo de fazer post sobre cartas, é possível sim fazer um post desse tamanho só falando do Clear Wing, mas seria coisas muito bobas (tipo: ah, ai tu pode usar o efeito do teu próprio monstro no Dragão e destruir o seu outro monstro e monstrificar o ATK dele... foda!) o que der pra falar de importante da carta eu falo, mas o Clear Wing não tinha muito mesmo (eu podia ter citado o Ultimaya, mas preferi deixar quieto, se for pra falar dele é melhor fazer um post dele). Eu mudei, o novo padrão vai ser o seguinte: se tiver coisas mais importantes a ser faladas (como a triste história dos Synchros no jogo) eu vou usar a carta como inspiração para tocar nessas feridas que o cardgame possui. Não vai ser uma revolução, eu nem remunero a Konami mesmo (isso já é, de certa forma, uma revolução), mas eu quero deixar o meu post rico de alguma forma e nada melhor do que enriquecer ele com um assunto maior que abrange o jogo como um todo para ninguém ficar em cima do muro a respeito.

Vai ser difícil? Vai, mas eu vou me esforçar pros posts não ficarem iguais a alguns do meu passado aqui na Nexus (não que sejam posts necessariamente ruins, mas hoje em dia eu não vejo mais graça neles).