21 de dezembro de 2014

Retrospectiva 2014 – Pt. 1/2: TOP 10: Acontecimentos do Ano

Retrospectiva

Eae galerinha, como vão? Estou começando a Retrospectiva do Nexus, e como esse ano ACONTECEU MUITA COISA, decidi fazer 2 posts especiais para vocês. Na primeira parte eu vou falar das 10 coisas mais marcantes desse ano relacionadas a Yu-Gi-Oh! no geral, confiram!



Navegue por aqui (ou não):

10º LUGAR: EU GOSTO BEM GRANDE!
09º LUGAR: QUASAR, BABY!
08º LUGAR: UMA LISTA MAIS MAMILOS DO QUE A OUTRA!
07º LUGAR: ESQUEÇA AS REGRAS, EU TENHO GRANA!
06º LUGAR: A ESPERA PELO LENDÁRIO ACABOU!
05º LUGAR: PSYCHIC NÃO É O ÚLTIMO TYPE!
04º LUGAR: SENTA QUE LÁ VEM HISTÓRIA!
03º LUGAR: DN E YGOPRO SÃO PARA OS POBRES!
02º LUGAR: É UM MONSTRO? SIM. É UMA MÁGICA? TAMBÉM!
01º LUGAR: O ANO QUE TODO MUNDO FICOU ARREPIADO!!


10º LUGAR: EU GOSTO BEM GRANDE!10

Todo ano o TCG recebe um produto exclusivo chamado Collectible Tins. São latinhas estampadas com algum monstro que se destacou naquele ano, e é ótima para os jogadores guardarem suas cartas, mats, lanche da tarde etc. O problema é que nem sempre cabiam tudo o que o jogador queria carregar, e pensando nisso, a Konami criou uma versão MUITO maior dessas latas colecionáveis (15% maior).

As novas latas além de serem muito maior do que as tradicionais, vem com uma configuração diferente. Ao invés de alguns packs aleatórios dentro, elas agora vem com Mega-Packs ao invés, que são nada mais do que uma coletânea das cartas mais relevantes de determinados packs. É como se eles pegassem as melhores cartas daqueles packs aleatórios de antes de formassem um novo pack, dando a oportunidade para os reprints ganharem 1º Erratas em alguns efeitos e 2º Uma nova raridade para os ostentadores colecionarem. O fato de cada pack ter pelo menos uma carta de cada raridade também ajuda você conseguir as cartas que pode precisar.

Ou seja, as Mega-Tins nem se comparam as latas antigas, então vamos ver se eles vão continuar com essa ideia para os próximos anos também.

Já que estamos falando de coleção e coisas grandes, que tal lembrar também do Noble Knights of the Round Table Box Set? Esse produto reúne todas as cartas do archetype Noble Knight, considerado até então o mais raro e difícil de conseguir de todos os tempos. A mitologia arturiana foi completada nesse box com chave de ouro.

Atenção também para as novas raridades: Platinum Rare e Platinum Secret Rare.

09º LUGAR: QUASAR, BABY!!09

Outro produto lançado esse ano recebeu o nome de Legendary Collection 5D’s. As coleções dessa série tem como objetivo dar reprint para cartas que até então eram difíceis de conseguir, lançar erratas para seus efeitos para ficarem mais fáceis de ler e, claro, fazer a Konami lucrar por cima.

A coleção é marcada pelo reprint do Shooting Quasar Dragon, o dragão final do Yusei que até então só tinha sido lançado no TCG como carta promocional para uma meia dúzia de caboclos, ou seja, ela praticamente não existia desse lado do mundo, e graças a essa coleção ele ficou mais acessível.

A coleção também lançou cartas novas, da série dos Nordics. Os outros Signer Dragons também ficaram fáceis de conseguir uma vez que estavam disponíveis tanto em raridade Commmon quanto Ultra Rare. Uma ótima coleção para quem gosta da Synchro Summon.

E para quem gosta da Xyz Summon, pode conferir eles sendo lançado em Gold Secret Rare (raridade nova) pelo set Premium Gold, que é o sucessor da Gold Series. A estrela do set foi com certeza o Beelze of the Diabolic Dragons, um dos Signer Dragons que veio diretamente do mangá 5D’s.

08º LUGAR: UMA LISTA MAIS MAMILOS DO QUE A OUTRA!08

2014 foi o primeiro ano com 4 banlists, tanto no TCG quanto no OCG, e claro que a Konami aproveitou esse tempo para desmaiar vários jogadores. Para eu não me estender muito nesse tópico, vou comentar apenas das banlists do TCG:

A banlist de Janeiro marcou o fim da era Dragon Ruler. Tivemos os 4 elementais limitados, o banimento merecido da Sixth Sense, Magician of Faith sendo limitada e Lonefire Blossom sendo Semi-Limitado depois de um bom tempo. Enquanto cartas como Final Countdown e Self-Destruct Button dizeram adeus, foi a vez de Mezuki, Plaguespreader Zombie, T.G. Striker e Tour Guide from the Underworld voltarem do Forbidden Realms.

Até aí tudo bem, nessa época alguns diziam que o metagame de 2014 seria Plants vs. Zombies devido a esses unban. Mal sabíamos do que estava por vir.

A banlist efetiva a partir de 1º de Abril parecia uma mentira. Pouquíssimas coisas mudaram, e dentre elas, Morphing Jar 1 e 2 sendo banidos, Fire Fist e Mermail ganhando nerf com Wolfbark e Abyssgunde limitados, Rekindling acabando com a diversão dos Fire Kings / Hazy Flame, Necroface e Hieratic Seal of Convocation nas semi-limitadas e Magical Stone Excavation saiu da lista depois de bastante tempo.

Em Julho também tivemos poucas mudanças, mas desta vez foram mais motivadoras por conta do Legendary Collection 5D’s. Goyo Guardian saiu da lista para limitado. Um Synchro de Level 6 que pouco tempo antes era considerado absurdo mas que agora não daria mais tanto trabalho. Formula Synchron foi semi-limitado e Magician of Faith ganhou mais uma chance depois do teste feito pela Konami. Reinforcement of the Army começou a ser testada a 2 nessa lista, e Dimensional Prison e Mirror Force saíram dela.

Depois disso tivemos o mundial. Para a surpresa de muitos o deck campeão foi Infernity, que devido a combinação das banlist do OCG e TCG estava em um cenário de vantagem. E claro que eles teriam que nerfar o deck depois disso, o que de fato aconteceu em Outubro.

Magician of Faith, Reinforcement of the Army e Formula Synchron terminaram o período de teste e saíram da lista. Glow-Up Bulb voltou. Soul Charge e Super Polymerization foram limitadas e a surpresa da vez foi Raigeki, que ninguém esperava que um dia tão próximo fosse sair da lista. Acho que para finalizar o ano essa foi uma lista bastante planejada, o que faz ser a minha favorita do ano.

07º LUGAR: ESQUEÇA AS REGRAS, EU TENHO GRANA!07

Com o lançamento do Super Starter: Space-Time Showdown, o livro de regras foi atualizado. Uma mudança tão grande não era vista desde sei lá quando. Se parar para pensar, a estrutura nunca tinha mudado tanto desde que existe TCG (talvez no OCG teve uma atualização maior, só olhar no layout das cartas antigas).

A mudança mais polêmica da atualização foi que a partir de então o primeiro jogador a fazer sua jogada no duelo não era mais capaz de efetuar a Draw Phase, começando assim com apenas 5 cartas na mão e tendo uma pequena desvantagem para o segundo jogador que começa com 6.

Outra mudança foram nas regras das Field Spell Cards, podendo agora uma em cada lado do campo estarem ativadas simultaneamente e, além disso, quando um jogador ativa um campo por cima de outro, ele envia o antigo ao cemitério ao invés de destruí-lo como antes. Isso é bom pelo fato de cada jogador poder ter o seu próprio campo e não correr perigo dele sair quando o oponente joga outro.

Tivemos também uma mudança mínima da estrutura da Battle Phase, mais precisamente da Damage Step, que agora possui uma classificação de quais tipos de efeitos você pode usar durante cada uma de suas etapas.

A outra mudança eu vou comentar daqui a pouco.

06º LUGAR: A ESPERA PELO LENDÁRIO ACABOU!06

Se ano retrasado tivemos o The Seal of Orichalcos, esse ano foi a vez do primeiro dragão lendário; Tá, nem é tanto pelo The Eye of Timaeus ou pela Dark Magician Girl the Dragon Knight, mas sim por todas essas cartas genéricas que esperávamos por todas as eras dos 4 animes até então:

Kuribandit, Berserker Soul, Guardian Dreadscythe, Guarded Treasure, Soul Charge, Pair Cycroid, Doble Passe, Mathematician, Ra’s Disciple, Assault Dog, Wiretap, Fire Hand e Ice Hand são alguns exemplos de cartas desse pack.

Desde o lançamento do mesmo, muitas dessas cartas começaram a ser usadas como Staples em vários decks, podendo-se dizer que de certa forma ele revolucionou o TCG de uma forma nostálgica. Querida Konami, queremos o Dragons of Legend 2 logo.

05º LUGAR: PSYCHIC NÃO É O ÚLTIMO TYPE!05

Falando agora sobre o Duelist Alliance e The New Challengers, os primeiros boosters da Series 9, temos que comentar sobre o novo tipo de monstro desde os Psychics (começo da era 5D’s). Os garotos-propaganda do novo tipo é um archetype chamado Yang Zing, focados em Synchro Summon.

O tipo Wyrm é baseado em dragões místicos europeus e orientais (não confundir com Wyvern). Então é isso, basicamente eles são um novo tipo só de Dragões, e já tão saindo até counterparts Wyrm de dragões famosos tais como Metaphys Armed Dragon e Metaphys Horus Dragon, além de outros genéricos cuja artwork está maravilhosa assim como o Night Dragolich, que tem a melhor arte de todo o The New Challengers.

Um novo tipo de monstro era necessário a essa altura do jogo pois os boosters estavam começando a ficar monótonos com só dragão, só dragão. Isso restringia até mesmo a criatividade dos criadores de cartas que tinham que pensar em efeitos que não fossem muito apelativos já que Dragon é um dos tipos com mais suportes de todos os tempos. A ideia de separar os dragões em dois tipos foi ótima pois se você reparar em outros Card Games (lê-se: Cardfight Vanguard e Magic the Gathering), existem uma grande variedade de tipos (de type mesmo) de dragões.

04º LUGAR: SENTA QUE LÁ VEM HISTÓRIA!04

As crônicas do Duel Terminal voltaram a serem escritas. Para quem não sabe, Duel Terminal é um mundo fictício onde a história de algumas cartas acontecem, e podemos observar isso nas artes e textos delas próprias, assim como nos textos do Master Guide que é lançado no Japão no fim de cada anime. No capítulo anterior, as tribos desse mundo batalharam contra os Lswarms e sofreram grandes perdas, e agora, muito tempo depois, elas sofrem uma nova ameaça.

As tribos são: Tellarknight (sucessores dos Constellars) como representantes dos monstros Xyz, Yang Zing (que foram criados pelos Tellars) do lado dos Synchros, Shaddolls (com traços de Gem-Knight) e Spiritual Beasts (descendentes dos Gustos)com a Fusion Summon, e Nekroz (descententes de Gishki) com os Rituais. Nem todas essas tribos foram lançadas no TCG, mas já deram as caras no OCG e a gente só tá esperando que eles venham até nós ano que vem.

Antes desse novo começo do Duel Terminal, o metagame estavam bastante focado em apenas um tipo de invocação (Xyz) por causa do fim do Yu-Gi-Oh! Zexal, mas agora temos a oportunidade de testar os novos decks e termos um cenário competitivo mais diversificado. Se esse for o plano da Konami, vai dar muito certo.

03º LUGAR: DN E YGOPRO SÃO PARA OS POBRES!03

Tratam-se dos novos jogos de simulação para navegador e dispositivos mobile. Se até ano passado a nossa única escolha para não jogar o jogo de cartas físico era ter um console com algum lançamento antigo ou então correr para plataformas como Dueling Network e YGOPro, agora podemos nos divertir com duas plataformas online oficiais.

No pc, sem baixar nenhum programa, vocês podem acessar o Yu-Gi-Oh! Duel Arena. É um simulador estilo RPG onde você evolui o seu personagem por adquirir novas cartas. Antes de começar um duelo, você pode escolher entre usar o seu próprio deck ou o deck pronto de um Partner. Para conseguir mais partners e ter mais opções de decks, você pode todo dia recrutar algum aleatório, mas apenas até que conseguir montar seu próprio deck competitivo por comprar boosters. A moeda que você consegue no jogo ajuda você a evoluir, mas caso queira uma forma mais rápida de fazer isso, terá que usar dinheiro de verdade, que é o que mantém o jogo funcionando. Link do site.

Eu jogo o Duel Arena desde a versão Beta, e posso dizer que depois que ele foi lançado eu raramente voltei a duelar no Dueling Network / YgoPro. Eles possuem uma equipe muito boa de programadores que deixaram o jogo agradável de se jogar, mas digo que você pode estranhar no começo, ainda mais se é acostumado com o YgoPro.

Já o Yu-Gi-Oh! Duel Generation você pode baixar em seu smarphone ou tablet. O jogo é gratuíto, mas assim como a opção anterior, você pode evoluir muito mais rápido caso use dinheiro de verdade. Em comparação com o Duel Arena, o Duel Generation pode te distrair nas horas vagas graças a um sistema de duelo e tutorial offline.

Além desses jogos “de graça”, tivemos dois jogos para console: Yu-Gi-Oh! Millenium Duels para PlayStation 3 e XBox 360, e Yu-Gi-Oh! Zexal World Duel Carnival para Nintendo 3DS. Também foi anunciado o Yu-Gi-Oh! ARC-V Tag Force Special para PSP e PS Vita, mas o lançamento é no começo do ano que vem, apenas para o Japão.

De qualquer forma, esse ano a Konami se superou com os jogos eletrônicos. Tivemos 4 lançamentos grandes e para quase todas as plataformas, então claro que isso não pode passar despercebido na Retrospectiva.

02º LUGAR: É UM MONSTRO? SIM. É UMA MÁGICA? TAMBÉM!02

A mudança que falei a alguns tópicos atrás era essa: Um novo tipo de carta de monstro foi lançada a partir do Super Starter, e as regras dele incluem um novo termo chamado Pendulum Summon, além de duas novas zonas no campo: Pendulum Zones.

  • Para saber sobre as novas regras e como fazer a Pendulum Summon: clique aqui.

Por enquanto temos poucos Penduluns lançados, a maior parte fazendo parte dos archetypes Qliphort e Performapal. Qliphort foi o primeiro archetype “completamente” Pendulum e ele está inserido no novo capítulo do Duel Terminal que já comentei antes, representando o novo tipo de invocação além da Fusion, Ritual, Synchro e Xyz. Já os Performapal fazem parte de algo diferente que os promove, que é a nossa primeira colocação desse Retrospectiva.

01º LUGAR: O ANO QUE TODO MUNDO FICOU ARREPIADO!!01

Sim, e o nome do 5º anime é Yu-Gi-Oh! ARC-V. Após o término do Yu-Gi-Oh! Zexal, que era bastante criticado por alguns fãs dos anteriores, a empresa responsável pelas animações decidiu que o universo de Yu-Gi-Oh! na televisão não deveria acabar por lá, e anunciaram uma nova saga que tem tudo para ser a favorita de muita gente.

A nova saga reúne elementos que os fãs vem implorando a anos, como a variação nos decks de um personagem para outro. Tem toda uma história que faz com que existam personagens com tipos diferentes de invocação de monstro; os personagens apresentam mais personalidade; e não apenas o protagonista duela, o que afeta o jogo físico onde são lançadas as cartas dos secundários em uma quantidade aceitável em relação as cartas do principal.

Se você curtiu Yu-Gi-Oh! 5D’s, com certeza vai curtir o ARC-V, pois os gráficos do anime em geral é dirigido pelo mesmo cara que fez o do 5D’s. Também é uma ótima oportunidade para quem não conhece muito sobre o jogo na vida real e quer aprender as regras. Se eu continuasse falando mais iria dar Spoiler, então chega.

Tenho planejado um post chamado “Top 10: Motivos para assistir Yu-Gi-Oh! ARC-V”, só falta começar a escrever. E para avisar, escolhi o ARC-V como primeira colocação não apenas pelo fator protagonismo, mas também porque foi o que mais marcou o Nexus esse ano. Agradecimentos ao fansub ANexus por ter disponibilizado os episódios legendados sempre com a melhor qualidade e rapidez, o que é mais um motivo para você e seus amiguinhos acompanharem.


Sinto que eu tinha mais coisa para falar e esqueci. Já fazia um tempo que eu tinha o retrospectiva nos meus rascunhos e tentei lembrar de tudo de mais relevante que aconteceu esse ano. Se você acha que faltou alguma coisa na lista, comenta com a gente nos comentários do blog ou do facebook, é sempre bom relembrar.

OBS: A ordem desse Top é pessoal, se você pensa de forma diferente tudo ok.

Então é isso galerinha, espero que tenham gostado do post. Não esqueçam de acessar o blog mais tarde para a continuação (a não ser que você esteja vendo isso quando a outra parte já foi postada). Até mais!

Comentários
8 Comentários

8 Comentários:

Carlos Henrique disse:
21 de dezembro de 2014 11:33

O que marcou esse ano foi a Pendulum e o Anime, tá muito bom! <3

Labyrinth Wall disse:
21 de dezembro de 2014 11:44

01º Lugar: Lançamento do Mecha Phantom Beast O-Lion

vlw flw!!

zueira!!! =)=)
ótima postagem, ficou muito bom esse top 10...Mega Tins e Dragons of Legend foram os melhores do ano para mim

Cyberblu disse:
21 de dezembro de 2014 15:18

@Carlos, sim

@Lawall, esse O-Lion é muito inútil mds... Dragons of Legend foi épico.

dragon_hibrid disse:
21 de dezembro de 2014 16:44

Otimo texto blu, concordo com tudo que vc escreveu, eu jogo yu gi oh desde de 2010 e realmente esse ano deve muitaaaaaas mudanças em comparação aos anos anteriores. E parabens ao nexus que já segue nessa estrada a um bom tempo.

Diego Lombardi disse:
22 de dezembro de 2014 15:29

muito Top o Top,concordo com tudo k escreveu.O anime vem melhorando a cada ano(except zexal).Parabéns ao nexus por todo o trabalho

Guilherme Lerry dos Santos disse:
22 de dezembro de 2014 17:51

esse ano foi SHIBIRERU!

Cyberblu disse:
24 de dezembro de 2014 11:54

Obrigado pelos comentários galera :)

Alex Lima disse:
16 de janeiro de 2015 18:55

MUITO BOA A MATERIA! GOSTEI PQ FAZ EXATAMENTE UM ANO QUE NAO JOGAVA YUGIOH E NEM SABIA NADA DO QUE TAVA ROLANDO, ENTAO ME AJUDOU MUITO!