27 de junho de 2014

HAT no Series 9: Vanity's Emptiness e Deep Dark Trap Hole


Porque o show tem que continuar. 

Vamos tratar do futuro. Vamos falar de Shaddolls, Tellarknights, Qliphoth e Wyrms! Duelist Alliance e Next Challenger abrem o Series 9 trazendo uma mudança radical no jogo com a introdução desses archtypes. Por isso, o blog já começa sucessivas postagens sobre o assunto e vamos tratar aqui de como usar esses archtypes, como combatê-los e etc. 

No artigo de hoje, vou tratar de explicar o porque essas duas cartas, que no meu ponto de vista, vão figurar em HAT decks e também em outros decks no decorrer dos lançamentos desses novos decks: Vanity's Emptiness e Deep Dark Trap Hole.

VanitysEmptinessSTBL-EN-C-1E

Vanity's Emptiness
Continuous Trap Card
Neither player can Special Summon monsters. Destroy this card when a card is sent from the Deck or the field to your Graveyard


Vanity's é conhecida já dos jogadores mais novos, principalmente na era Dragon Ruler, quem aqui não lembra dela sendo praticamente staple em vários decks para parar os dragões e suas múltiplas invocações especiais? Lançada no Starstrike Blast em 2010, não recebeu reprints desde então, sendo uma carta muito rara de se encontrar. Segurem suas Vanity's!

O importante destacar dessa carta é sobre a vantagem que ela dará a decks desse formato, que fazem muito menos Special Summon e são menos dependentes disso, contra decks que dependem desse fator para fazer o jogo fluir (Decks do futuro). Isso é óbvio, mas vamos dar uma ampliada nessa afirmação:

1. Futuro: Os 4 decks citados acima dependem muito de invocações especiais, Shaddolls pelo fator de depender dos seus Fusion Monsters para agredir o oponente (Eles tem mais recursos para sair da Vanity's, isso é evidente.), Wyrm mais ainda, já que quando são destruídos, invocam especialmente monstros do deck, Tellarknight precisa abusa de múltiplas invocações para dar segmento ao seu jogo e Qliphoth abusa dos Pendulums Summons (Special Summons) para bater, bater e bater até matar o oponente. 

2. Desse formato: HAT é um deck de controle muito forte, talvez não se sustente diante de um meta agressivo como esse que está pra vim, mas certamente terá na Vanity's uma possível solução para conter o início dos decks e controlar o campo de forma satisfatória como faz nesse formato; Bujin poderá nesse cenário se aproveitar e muito da Vanity's como fez quando despontou no jogo, já que pode sustentar seu jogo sem usar Special Summons algumas e por meio de descartes e buscas do deck, segurar um Yamato em campo, por exemplo, e ir matando decks agressivos aos poucos; Evilswarm ainda vai conseguir figurar como um deck anti-meta de formatos, já que vamos ter decks que usam e abusam de monstros nível 5 ou maior (Shaddolls, Wyrm e Qliphoth) e Vanity's pode vim fechando um quase lockdown com o Ophion e a Pandemic contra Qlipoth ou Shaddolls, por exemplo. 

ArtifactScythe-PRIO-EN-SR-1EFator Scythe: O número de Artifacts (Principalmente HAT) sendo usados por vários e vários decks subiu e não é para tanto, eles auxiliam e muito bem qualquer deck, ainda mais se você puder usá-los para Rank 5 ou Synchro Summon. O detalhe que eu quero destacar aqui é o fato da maioria de nós jogadores, quando encaramos Vanity's, de sempre forçar a destruição dela a "qualquer custo" e o jeito mais proveitoso disso, é destruindo outra carta do campo do oponente para que ela se destrua pelo seu próprio efeito, provocando um plus para você. O problema disso é que na era Artifact, isso pode ser ruim. Jogas de Shaddolls, Tellar, Qlipoth ou Wyrm e tens a chance de destruir no seu turno a Vanity's destruindo outra carta do oponente da linha de mágica e armadilha: Tome cuidado, uma simples MST  ou efeito num Scythe setado, pode parar você por um turno inteiro, já que fica sem extra deck. 

DeepDarkTrapHole-PHSW-EN-R-1E

Deep Dark Trap Hole
Normal Trap Card
When a Level 5 or higher Effect Monster(s) is Special Summoned: Banish that Level 5 or higher Effect Monster(s).

Deep Dark Trap Hole é mais nova que a Vanity's, saiu no Photon Shockwave em 2011, e ao contrário dela, nunca teve seu momento de fama, por isso sua procura é baixa e ela é bem encontrada por aí. O que a faz ser tão especial além do seu efeito? Ela é buscável. Traptrix Myrmeleo a trás rapidamente do deck e isso auxilia HAT no controle do campo. Porém, como vemos em muitos decks desse formato, não é somente HAT que se aproveita do Myrmeleo Plus e isso ficou comprovado quando temos o uso excessivo de outras Trap Holes como a Traptrix Trap Hole Nightmare, devido a essa facilidade de search. Isso leva a crer que teremos alguns jogadores gastando aquele espaço de Trap Hole que você hoje usa para a Nightmare, por uma Deep.

Deep não tem muito mistério, ela vai ser usada para parar as fusões dos Shaddolls e de quebra, evitar que ativem seus efeitos de saída, já que bane os monstros ao invés de mandar ao cemitério, sem destruir, o que é outro fator importante, já que evita brechas em monstros que tem seus efeitos ativados quando são apenas destruídos, ou ativar efeitos de cartas contínuas em campo, como a Supply Unit.

Qliphoth também tem problemas com ela, e dos grandes. O deck quando encaixa o jogo, trás consigo muitos monstros de nível 5 ou maior por Pendulum Summon e como todos são invocados ao mesmo tempo, Deep é a carta perfeita para virar o jogo contra eles: Ela se ativam quando todos são invocados, todos os nível 5 ou maior são banidos ao mesmo tempo, sem chance de voltar ao Extra Deck, sem ativar efeito de Supply Unit como já disse e isso deixa o deck totalmente fora do jogo por alguns turnos ou talvez decida o duelo em questão. Wyrms quando trazem seu synchro sem proteção contra armadilhas também estão sujeitos a sofrer nas mãos da DDTH. 

Deep ainda mesmo sendo tratada como carta do futuro, também pode cair como uma luva para os decks de hoje: Sylvan, Lightsworn, Dragons Ruler, Hieratic e Mermail onde todos fazem invocações especiais de monstros de nível 5 ou maior, onde destaco Sylvan perdendo Sage vindo da mão, ou Hermitree vindo da Lonefire ou Miracle Fetilizer. Mermail também perde, já que ao banir o monstro, não dá chance de cemitério cheio para Tidal no midgame. E todos esses decks carregam consigo a poderosa Soul Charge, que vez ou outra trás os bosses do deck, bem como suas invocações Synchro, e por invocar todos ao mesmo tempo, DDTH coloca-os para fora de uma vez!
_____________________________________________

É muito estar de volta e dia 03 eu volto com mais um artigo para vocês, tentando falar de um assunto mais interessante, como a forma que os jogadores devem jogar e pensar na montagem do main, side e extra deck e como lidar com suas fraquezas. Espero que o artigo os ajudem no seu jogo e forte abraço. o/

Comentários
13 Comentários

13 Comentários:

Joao Lucas disse:
27 de junho de 2014 01:39

Gostei da analise, é bem por aí que penso também :)

Carlos Alberto Alberto disse:
27 de junho de 2014 07:55

Boas ideias mesmi...esses decks que vc citou são um problema e meio. Shadoll na minha opnião é o melhor e mais dificil de jogar pq demora pra acabar os recursos deles.

Cyberblu disse:
27 de junho de 2014 10:20

Bom post, nunca tinha pensado na DDTH para combater os Penduluns. Ela e a Bottomless são experts nisso.

Só duas coisas, acho que você confundiu o archetype Cosmic Dragon com o novo tipo Wyrm, já que você não citou o nome do archetype nenhuma vez.

Ah, e devido as restrições dos Qliphoths, eles não funcionam com o Denominator 001 como mostrava no vídeo que tinha postado antes. Quando os Pendulum estão em campo só monstros Qliphoth podem ser Special Summoned.

Flw.

Guilherme Lerry dos Santos disse:
27 de junho de 2014 11:14

"Yang Zing" nominho dificil de lembrar mesmo ashushuaha Só sei que vai ser louco quando sair esses bixos.

Marcio disse:
27 de junho de 2014 12:27

*-------*

Eu gostei do post, tava fazendo falta. q

Realmente a Deep Dark tem um futuro legal, não vai levar tanto espaço nos decks por causa da Bottomless, mas ainda assim encaixa legal. xD

Emerson Martins de Deus disse:
27 de junho de 2014 14:09
Este comentário foi removido pelo autor.
Emerson Martins de Deus disse:
27 de junho de 2014 14:09

"para bater, bater e bater até matar o oponente."
Achei agressivo, mas vou deixar passar xD

***

Ah, novos formatos... por mim não tinha banlit no próximo mês, sério, não tem realmente uma necessidade para equilibrar o jogo, quem joga ou mesmo quem acompanha os torneios pode acompanhar claramente isso, mas o assunto não é banlist e sim um formato futuro(se bem que tem ligação :v).

Vanity é uma velha amiga dos decks, também acho que ela vai recuperar o espaço que perdeu, antes você via 1 a cada 4 decks, agora você chega a não ver nenhuma a cada 10 decks... o que as circunstâncias de um jogo não fazem.

Achei bastante interessante você fazer um post dedicado ao futuro de HAT e consequentemente do jogo também, aqui no TCG conheceremos Shaddolls e Stellarknights mais cedo que os demais(eu não citei Yang Zing/Wyrm, mais tarde eu explico), apesar do formato OCG ter muitas divergências com o TCG, ainda sim da para toma-ló parcialmente como exemplo, o Asia Championship desse ano foi marcado por uma vitória dos dragões que dão seus últimos suspiros por lá antes de serem pegos pela lista, realmente aquela foi uma amostra da sua hegemonia entre as futuras promessas, claro que as cartas do OCG influenciaram nessa vitória, mas isso não tira o mérito que prova força do deck. Deve-se lembrar também que os Shaddoll e Stellarknights daqui não terão as mesmas skills que os de lá, o motivo é óbvio, Star Seraphs, realmente quando eu escrevi aquele post sobre Star Seraphs aqui no blog, nunca passou pela minha mente que eles se tornariam por lá uma engine tão boa quanto as Hands por aqui, com os Stellarknights era mais fácil imaginar, só me surpreendi um pouco com os Shaddoll, mas foi fácil perceber o motivo do uso dos monstros. Outro fato interessante, é que HAT não tem espaço no OCG, eu não lembro sequer de ter visto um único top deles por lá, mas aí é preciso avaliar se o que fez eles não terem espaço, são as condições que os são impostas em geral pelas cartas de side e etc, ou se são os decks de lá que estão muito afrente do jogo deles, o mesmo vale para as nossas engines que parecem ser obsoletas para eles, Fire e Ice Hands, respectivamente, também não lembro de ver eles topando em algum deck(o que aumenta a ideia de que o formato de lá é muito superior do que o imposto aqui em termos de velocidade). Das famosas skills usadas aqui, acho que a única que teve uma participação efetiva por lá foram os Artifact, cartas que brilharam em outra build que por aqui não veremos, Chronomaly Artifact, que antes do Duelist Alliance tinha por lá uma domínio significativo, mesmo após o lançamento ainda teve parte desse domínio, mas com a influência da banlist principalmente, esta prestes a perder seu espaço que já era ameaçado pelos novos decks.

Se formos comparar a força dos archetypes que estão por vir, e excluirmos os Dragon Rulers dessa comparação já que eles não tem mais força aqui, o que não da a eles o domínio do metagame que eles ainda possuem no OCG, e também tendo em mente que Yang Zing não conseguiu seu espaço, pelo menos não o suficiente para brigar diretamente por tops e não ser mais do que outro deck "tímido" que existem vários por aqui, sendo assim o que vem a mente é Stellarknights e Shaddoll brigaram pelo próximo formato, então discordando do amigo Carlos Alberto, os Stellarknights tem cara de serem os "Dragon Rulers dos Prophecy"(suponho que tenham entendido), Stellar tem um domínio maior por lá, apesar do que eu imaginava e muitos também devem imaginar, Midrash lá não é o suficiente para parar as múltiplas invocações dos Stellar, o que de certa forma é estranho, mas é verdade, um fato, só precisamos descobrir se isso vai refletir da mesma forma no TCG.

Emerson Martins de Deus disse:
27 de junho de 2014 14:10

Agora minha opinião sobre a Deep Dark Trap Hole... realmente não tem como negar que a carta é bastante interessante, mas não acho que ela vai ganhar um espaço relativo nesse jogo, assim como Vanity já teve, principalmente se esse for o espaço da Nightmare, o motivo também é visível, "e os Xyz"? Ela parece ser bem eficiente, mas não acho que vai ser a mesma coisa nas matchs, temos que lembrar que Stellar também vem por aí, é certo que ele vai topar muito e muito mesmo por aí, acho que não da para arriscar um espaço no main e o espaço de side é importantíssimo e pode ser até melhor preenchido. Nesse caso, Nightmare é melhor por ser mais versátil, o único problema é que ela pode não ser muito útil contra os Shaddoll, Midrash possui efeito contínuo, e Nephilim ativa na Damage Calculation, isso é um problema, a minha aposta para trap vem da mesma linhagem que a sua, Space-Time Trap Hole, certo, mil pontos de vida, em um formato(TCG) que ressaltou a importância deles, acho que pode ser difícil, principalmente porque ela não é amiga de Soul Charge, mas temos uma lista ainda esse mês, eu não acredito que ela tome alguma proibição, mas se isso acontecer irá deixar um caminho mais aberto para a STTH, se não, ainda há outro fato que pode fazer o jogador pensar melhor e ver que 1000 pontos por uma invocação é um bom negocio, isto é, Soul Charge apesar do hype(que sim, foi correspondido) não chega a ser unanime e muitas vezes usam ela quando não se precisa te-lá na build.

Enfim, é isso que eu tenho a comentar, gostei bastante do seu post, e espero que meu comentário não tenha ficado longo demais xD

Obs: Precisei de dois comentários, desculpe pela bíblia '-'

P.s: Eu ainda queria comentar sobre Evilswarm, mas vão me xingar se eu escrever mais :/

Cyberblu disse:
27 de junho de 2014 22:12

Caraca, Emerson, vou reservar o próximo mês para começar a ler o primeiro capítulo dessa bíblia ._.

Kymer-Sama disse:
27 de junho de 2014 22:44

Escreve mais emerson, quero ver a discordia

Cyberblu disse:
28 de junho de 2014 13:58

Discórdia, daqui a pouco cresce e tem que chamar os megazords

LG disse:
29 de junho de 2014 00:53

Só não vão criar page no facebook

Anônimo disse:
29 de junho de 2014 14:35

lg <3