25 de março de 2014

Teoria #1 (Curiosidade #246) - Gravekeeper's Visionary!

Olá, leitores e haters. Voltei

-Leitor - Mas quem é você?????

Enfim, pessoas. Ontem acabei uma parte das provas, então estou um pouco mais tranquilo e vou postar como antes Ou seja, uma vez por ano.

Enfim, essa é a primeira parte de uma subcategoria de Teorias, ou seja, mensagens ocultas histórias em cartas que a maioria das pessoas nem percebe! Nesse primeiro episódio, vamos desvendar as histórias ocultas que se desenrolam em volta do Gravekeeper's Visionary. Cliquem em continue lendo para ganhar um milhão de reais...



OBS - Antes de continuar a postagem, vale lembrar que essa teoria é criação exclusiva dos redatores do Nexus (Principalmente eu e o Labyrinth), portanto, as teorias apresentadas você só encontra aqui =D (Nem na YGO Wikia)

OBS 2 - Essa teoria foi INSPIRADA em um post antigo do Emerson (muito bom, por sinal). Recomendo que vejam clicando aqui

Bom, como introdução, vou contar uma história breve do período clássico do império egícpio:

Amenófis IV é um famoso faraó pelo fato de ter instituído o monoteísmo (culto a um único deus) durante o seu governo. 


Vamos lembrar que no Yu-Gi-Oh!, os deuses egípcios são Slifer, Obelisk e Ra. (Desconsidere os outros deuses reais, como Anúbis ou Amen) Agora temos uma questão de lógica: Se são três deuses egípcios, temos então um Politeísmo (culto a vários deuses). E tendo vários deuses, temos portanto, vários sacerdotes (isso na vida real E no YGO). 

Como vocês podem perceber, existem algumas cartas diferenciadas das outras, que portam consigo um cajado metálico. Na teoria, adotamos esse diferencial como Sacerdotes. E nós temos três deles:

Da esquerda para a direita: Gravekeeper's Commandant, Descendant e Chief. Note que são exatamente três, ou seja, um para cada deus. (Por favor, desconsiderem por enquanto a ausência de Heretic, Oracle, Priestess, Shaman e Visionary, eles serão explicados mais tarde!) Note também que os nomes sugerem importância: Comandante, chefe... No egito real, os sacerdotes eram O$$$TENTASAUM pura e eles nem tinham aparelho! eram cheios de regalias e o mais importante: Exerciam influência enorme na sociedade egípcia: Estando em grande número (devido ao politeísmo), eram uma ameaça constante ao faraó. E você acha que Amenófis gostou disso? 


SURPRISE, MOTHERFUCKER!

É claro que não! Amenófis (Ou Gravekeeper's Visionary) estava se cagando de medo dos sacerdotes. O que ele fez a respeito? Aboliu o politeísmo, e adotou o culto de apenas um deus, Átom. E quem era o sacerdote dele? Visionary! Olha só que velho safado! . Nós concluímos isso ao ver visionary sentado em seu trono EEEE.... com o cajado dos sacerdotes. 

Ah, vamos também ler o efeito dele:

You can Tribute Summon this card by Tributing 1 "Gravekeeper's"monster. This card gains 200 ATK for each "Gravekeeper's" monster in your Graveyard. If this face-up card on the field would be destroyed, you can discard 1 "Gravekeeper's" monster instead.

É algo impressionante: As três partes do efeito fazem menção indireta ao faraó. Olhem só

1 - Ele entra em campo ao tributar um gravekeeper. Ou seja, sua ascenção ao poder com o falecimento do seu ancestral faraó.

2 - A segunda parte pode ser referência ao fato de que ele não acreditava em vida-pós morte (já vai ser explicado também), e fortalecendo seu culto, ele se fortalecia também (200 de ATK pra cada gravekeeper no grave)

3 - Aqui é o mais incrível - Toda vez que seu poder estava ameaçado (Would be destroyed), ele abolia o culto a um deus, resultando na demissão de um sacerdote (Discard 1 gravekeeper's monster)

Para a próxima parte, vou ressaltar uma parte da realidade:

Para substituir o culto e vários deuses, o faraó teve que criar um único deus, cujo sacerdote seria ele mesmo. Esse deus, Átom, assim como Alá da religião muçulmana, não é representado como uma pessoa, mas diferentemente do deus árabe, que não possui representação alguma, Átom é representado pelo SOL. E eu acho que vocês já entenderam que carta representa Átom, né?



Muito bem! Continuando nossa teoria, Necrovalley seria o deus-sol (não confundir com o deus Amon-Ra), criação de Visionary. Mas como eu tenho tanta convicão disto? Vejam bem: No politeísmo, os faraós enfaixados para quê? Preservação do corpo para a sua reencarnação. Com o culto do deus Átom, essa crença sumiu, e portanto, Necrovalley impede que os monstros saiam do cemitério. Ah. e tem mais algumas coisas que eu notei em relação ao campo-deus que reforçam minha ideia.



Gravekeeper's Commandant  era um dos sacerdotes dos deuses. Enfim, o que impressiona nessa carta não é sua imagem, mas sim seu efeito: You can discard this card to the graveyard; add 1 "Necrovalley" from your deck to your hand" Ou seja, para que Átom pudesse ser venerado, foi fundamental afastar os sacerdotes do poder.




Gravekeeper's Heretic era um sacerdote que ficou desempregado por culpa de Visionary. Nutrindo um certo ódio pelo faraó, o mesmo não adotou o monoteísmo, como podemos perceber pelo nome (Herege) e também pelo seu efeito, de não ser afetado por cartas, incluindo o próprio Necrovalley, ou o deus Átom.
Ah, e podemos também concluir que essa sua imagem é durante o governo de Amenófis, julgando suas roupas rasgadas e seu cetro diferente (Lembrem-se que visionary é o único sacerdote, portanto, o único com direito de usar o artefato!)

Gravekeeper's Priestess possui uma conexão enorme com a história. Isso porque ela (na teoria) é ninguém menos que a rainha Tiy, a mãe de Amenófis (Visionary). Acha que eu estou forçando a barra? Normal, eu também ficaria com cara de KUjakujaku. Mas olhem só: Tiy é conhecida por encorajar seu filho a instituir o monoteísmo, e seu efeito coincide com isso: O campo é tratado como Necrovalley, mesmo que ele ainda não esteja lá, pois Átom ainda não foi criado por Visionary. Mas eu ainda tenho mais argumentos: Nessa carta, Priestess é bem jovem e Visionary ainda não nasceu. Mas olhem a próxima carta:


Sim, leitores, Gravekeeper's Shaman é a versão Dercy Gonçalves da Priestess, representando a Rainha Tiy já velha e com seu filho no poder do egito. Notem que seu cetro mudou, assim como o do Heretic, pois ela não é mais sacerdotisa. Mesmo assim, por ser mãe de Amenófis, Shaman possui grande influência religiosa, baseada no monoteísmo. Seu efeito, como carta, visa como objetivo principal, maximizar o efeito de Necrovalley e impedir que ele saia de campo (impedir que o politeísmo volte). Assim como o filho, ganha 200 de ATK para cada Gravekeeper no cemitério.


Amenófis, apesar de ter instituído tal religião, era brm liberal com seus súditos: O monoteísmo era teórico, ou seja, templos, estátuas etc. Mas os egícpios continuavam a crer em seus deuses antigos, sem oposição do faraó. Seu liberalismo não poderia ter resultado em outra: A volta do politeísmo aberto após sua morte.

Vamos para a próxima pergunta: Quem vai ser o DESCENDENTE do coveiro?? 

hurdur

Como eu sei que você, leitor, errou a resposta, eu mesmo respondo: O descendente do coveiro é... Depois dos reclames do plimplim hurdur o Descendente do Coveiro eu sei que agora você gritou que nem uma menininha de 5 anos. Ah, ressaltando também o cetro. Assim como Priestess, Descendant (Eu só vou falar o nome real dele no fim da postagem) também desempenhou um papel religioso durante o governo de seu cunhado (Sim, Amenófis foi sucedido por um cunhado) por ser parte da família "Amenófica" (Eu criei a substantivação mais bonita da história)  Enfim, o descendente de Visionary subirá ao trono após sua morte. Mas como sabemos quando Visionary Morrerá?


#partiu#cemitério

Acredito eu, que Gravekeeper's Stele seja a carta com mais simbologia e extremamente fundamental na contrução de nossa teoria! 

Olha, eu não vou conseguir explicar isso tão bem quanto o Emerson fez em seu post (se você ainda não viu, veja agora clicando aqui) Mas resumindo bem, uma Estela é a minha irmã um monólito erguido com função simbólica, sendo uma delas a FUNERÁRIA.

Percebam várias coisas nessa imagem: Descendant com seu cetro religioso (o mesmo adotado pelos sacerdotes politeístas), A figura de Anúbis (Deus egípcio da morte) no suposto túmulo de Descendant e o Sol de Necrovalley descendo, representando a queda de sua influência, junto com a morte de seu criador. O efieto também possui sua faceta oculta: Trazer dois gravekeeper de volta do cemitério, seria uma referência a voltar com o politeísmo, empregando seus amigos ex-sacerdotes (Chief e Commandant) que haviam sido afastados do cargo. O mais interessante é "cannot be negated by the effect of Necrovalley". E quanto a isso, acredito que não preciso nem falar.

Agora chega o manolo e pergunta "Mas essas cartas existem desde o YGO Clássico, por quê ninguém falou isso antes blábláblá.

Caros leitores, o motivo fundamental é essa carta



Sim, apesar dos novos suportes dos GK, foi necessária apenas UMA carta para concluir minha teoria: Gravekeeper's Oracle é descendant mais velho, como podemos perceber, com seu cetro de sacerdote. Nem precisa olhar muito para perceber que este é o mesmo trono de Visionary, o que dá a entender que Oracle é o novo faraó, após os acontecimentos em GK Stele. Mas como eu sei que foi ele quem voltou com o politeísmo?

Olhem ao fundo da carta Visionary: Hieróglifos, correto?

Agora olhe atrás de Oracle: Hieróglifos e... três tabuletas brilhantes. Uma com a figura e Obelisk, outra com a de Ra e a última com a de Slifer...

Só para concluir, lembram quando eu falei de Descendant e falei que só revelaria seu nome no final? Então, ao invés disso, vou finalizar com uma frase da wikipédia traduzida

"Em seu terceiro ano de reinado, o faraó Tutancáton fez diversas mudanças: Ele encerrou a adoração do deus Áton e restaurou o politeísmo de Amon-Ra (...) Reforçando a restauração de Amon, mudou seu nome para Tutancâmon"

Descendant=Oracle=Tutancâmon. Durmam com essa.

Comentários
13 Comentários

13 Comentários:

Anônimo disse:
25 de março de 2014 10:39

Que lindo cara '-'

Anônimo disse:
25 de março de 2014 12:20

YuGIOh é história!!!!! Matemática!!! Geografia!!! Biologia!!! É Cultura...

Jhonny william moraes de abreu disse:
25 de março de 2014 12:33

po muinto legal mesmo segundo a sua teoria o unico deus que seria cultuado provalmente poderia ser Horakhty ja que ela só pode ser invocada sacrificando os outros 3

Rodrigo Silva Escobar disse:
25 de março de 2014 12:47

Muito interessante e faz muito sentido mesmo!!

Anônimo disse:
25 de março de 2014 13:16

no entendi o pq de cunhado :v ele traço a irmã do Visionary? heuhehue

Anônimo disse:
25 de março de 2014 13:42

Mas cara repara q o comandant eh mt parecido com o visionary! Sendo assim o visionary nao poderia ser a versao mais velha do commandant?

Cyberblu disse:
25 de março de 2014 14:00

Muito boa a teoria Enzzo, fiquei de queixo caído aqui, só tive que dar mais uma pesquisada na wikia para ver o que era o Tutancâmon e outra carta que faz referência a ele é a "Tutan Mask". Post muito bom, espero que agora volte a postar com mais frequencia. Flw

Daniel Minighiti disse:
25 de março de 2014 14:31

Ok, ceeerto, isto não é de Deus(deuses) '-'

Putz que história fantastica sério eu NUNCA que ia sacar isso.

Então, eles estavam tipo em conflitos com eles mesmos, entre politeísmo e monoteísmo... E essa história de Tutancâmon me lembra de uma trilogia que eu li a pouco tempo atras: "As cronicas dos Kane"

Sério, adoro a mitologia egipcia.

E sobre a Tutan Mask, chuto que essa carta é de um tempo de depois de Tutancamon (Oracle) estar morto.

Após as mortes dos faraós eles faziam a tumba e colocavam aqueles rostos de ouro que representavam o faraó. A tutan mask é talvez a mascara da tumba dele...

Dizem que a maldição de Tutancamon fazia que com quem que tentasse, ah... bisbilhotar a tumba dele morria um tempo depois, mas não vejo algum sentido com o eff da Tutan mask...

Labyrinth Wall disse:
25 de março de 2014 15:50

ficou muito foda menino Enzzo!!

a cada frase era um arrepio, realmente faz tudo muito sentido e eu me surpreendi com tudo mesmo vc tendo comentado sobre isso comigo antes!! =)

Aldair Hatake disse:
25 de março de 2014 17:22

Ótimo post!!! Parabéns!!! parece uma mulher de certo angulo...

Milton Marques disse:
25 de março de 2014 17:45

Cara, com essa postagem você mostrou o que é Yugioh para o pessoal que acha que jogar é apenas copiar decks ou jogar apenas no meta game, ter cards fodásticos e etc...você mostrou o verdadeiro sentido do yugioh se tornar o fenômeno que se tornou...não existe comparação quando se duela apresentando as histórias dos cards. É realmente muito bonito e empolgante diferente do que acontece com muitos players que só se preocupam com efeitos e etc...

Emerson Martins de Deus disse:
25 de março de 2014 18:07

Eu fiz uma teoria também, mas achei a sua mais bem desenvolvida e melhor que a minha xD

Gostei muito do post, depois que eu inventei a minha teoria eu joguei um pouco com eles, só parei porque aquele control todo não combina comigo kkkkk.

Continue assim! :D

todopoderosoreiyakayakaludo disse:
25 de março de 2014 21:32

Pow, num tem a carta do banner kkk
Essa matéria foi tão...Yugioh, o Yugioh realmente egípcio