10 de março de 2014

No Bolso! Quanto vale a sua diversão?



Salve galera, tudo bem com vocês? Bom, há tempos que não me veem aqui, realmente estou muito afastado e sem tempo pra postar, mas nesse período de carnaval arrumei um tempinho e vim aqui deixar esse breve post para lerem. Não estou no nível dos meus amigos redatores, tanto em formatação quanto em noção do assunto, mas garanto que se entreterão com o tema.

O que vou abordar aqui é bem simples: "Quanto vale a sua diversão?" - A Konami nitidamente à cada booster deixa mais explicito que não liga tanto assim para o jogo, e sim para o seu lucro. São cartas OP que obviamente serão banidas no próximo formato, são liberações de banidas aliadas à reprints, e por aí vai. Então, quanto cada um aqui disposto à pagar para poder se divertir nesse intrigante jogo?



Para começar o assunto vou abordar uma carta bem óbvia, a primeira que veio na minha mente e tenho certeza que na mente de muitos também, Sixth Sense.



Sixth Sense
Trap Card / Normal

Declare dois números de 1 à 6, então o seu oponente joga um dado, e se o resultado for um dos números, você compra aquele tanto de cartas. Se não for, mande do topo do seu deck ao seu cemitério cartas igual ao número rolado no dado.


Logo que lançada no TCG através do pacote Legendary Collection 4, que fazia alusão à Joey Wheeler, a carta já foi um palpite certeiro da próxima banlist, afinal o efeito não era apenas OP e sim mentiroso: "Porra! Comprar cinco cartas ou então dar mill no mesmo número? Isso não existe!" - Pensaram aqueles que não tinham míseros R$200+ para investir na armadilha.

Todos, sem exceção alguma, sabiam que a mesma seria banida em breve, mas mesmo assim alguns players estavam desesperados atrás da mesma, chegando à desembolsar, como supracitado, mais de duzentos reais em apenas um pedaço de papel. Pra mim foi o estopim, pra Konami, a valorização da edição LCJW.

A empresa ocidental tramou tudo, e não fez nem questão de esconder de ninguém que a colocação da mesma carta no pacote foi apenas para vendê-lo mais, já que as outras cartas não agradaram tanto, foi dito e feito. Legendary Collection 4 saiu à rodo, todos querendo a sua Sense e então, quando a mesma foi banida, a coleção caiu no esquecimento.

A produção cai, a demanda cai, e.. o preço diminui? Sim, e Yu-gi-oh! é um dos poucos negócios do mundo onde isso acontece, e não há exemplo melhor do que essa carta. Como dito, custou de duzentos reais para mais, e hoje, no nosso parceiro Colyseum.com não passa de R$40 a unidade, uma bagatela comparada ao preço inicial.




Tampouco os preços de algumas deixem-nos abismados, não há nada que atormente mais do que a raridade não ter valor algum no jogo. Obviamente quando impostas no card game, as raridades mostrariam o quão difícil foi conseguir tal carta, mas hoje é apenas mais um detalhe.

Ter uma carta secret rare já não quer dizer nada, assim como ter um deck inteiro cheio de commons também não expressa que o player não tenha condições de vencer. Veremos isso agora comparando duas realidades: Uma é o Evilswarm Exciton, um XYZ que por si só já custa R$350, e a outra é o deck de Hazy Flame, que montado com pouco mais de R$50, bate de frente com muito deck Tier 1 em Round 1.



Evilswarm Exciton Knight
★ 4/ Light
ATK: 1900/ DEF: 0
Fiend/ Efeito
2 Monstros Nível 4
Uma vez por chain, durante a sua Main Phase ou a Battle Phase de seu oponente, se ele controla mais cartas que você somando a mão e o campo, você pode desassociar um material XYZ dessa carta; destrua todas as outras cartas no campo. O seu oponente não toma mais danos futuros nesse turno.



Como da pra ver e todos sabem, é uma carta muito Overpower, podendo virar o jogo em questão de segundos, ainda mais por ser um XYZ genérico, que se encaixa em qualquer deck, e é ai que a Konami entra mais uma vez com a história do dinheiro.

Vários decks possuem suporte específico, e isso nitidamente derruba o preço da carta, agora pensemos. Se esse Evilswarm tivesse como condição de invocação o seguinte requisito: "2 Level 4 "lswarm" monsters", vocês podem ter certeza, o preço dele não passaria dos R$30. A nossa produtora então, de forma inteligente, deixou o nosso Steelswarm Roach versão Light genérico, e o que mais me irrita, deu uma destorcida muito ruim no Duel Terminal.

Muitos dizem que ele é o Steelswarm Roach depois de ter ingressado no "lado bom da força" através da "Sacred Serpent's Awake", mas isso não me desce. Pelo poder que ele tem, ele poderia facilmente derrotar qualquer um no DT, e apesar do que diz na trivia do ygowiki, eu não acredito, mas enfim, é um assunto para outra hora, agora voltemos à falar de dinheiro mostrando como um deck como o de Hazy Flame, montado praticamente em apenas uma coleção e com cartas no máximo raras, consegue bater de frente com outros caríssimos.



Como podem ver, levando em consideração que tenham noção do preço de todas as cartas, o deck é bem barato. Todas as comuns não devem passar de um real, sendo que as unicas que podem tirar um dinheiro a mais são cartas substituíveis, que são: Onslaught of the Fire Kings; Fire King High Avatar Garunix e Trap Stun, além é claro do extra, que para decks forfun acho desnecessário, principalmente quando se tem um Basiltrice.

No final das contas, você não deve gastar mais do que R$50 reais no deck, e um deck muito jogável. Utilizando esse Hazy King já consegui vencer os mais variados oponentes, inclusive Evilswarm, mas ai estava sideado com Shadow-Imprisoning Mirror e Blaster, porém ainda assim foi competitivo no match 1.

Mas aí, vendo toda essa barbaridade nos preços os players de menor recurso financeiro pensam: "Ah, essas lojas querem me roubar, safadas", mas mal eles sabem que os responsáveis pelos altos preços são os próprios jogadores, que "endeusam" as cartas e correm desesperadamente atrás da mesma. É sério que um Exciton, que pode levar uma linda nukada de um simples Starlight Road vale R$360 reais? Não!

A Konami é outra que pouca culpa tem, porém não a absolvo. Ela tem sim os seus truques para vender os boxes e elevar os preços, porém tudo sai de lá com o mesmo preço e quem reorganiza os valores são os players, que explicitam o desejo nas cartas e deixa evidente aos lojistas qual carta devem "encarecer".



Finalizando, a Konami é uma empresa, e obviamente a mesma precisa de lucro para sobreviver, por isso faz propaganda, lança cartas desbalanceadas, afinal ninguém compraria um booster que não viesse algo de espetacular, e é aí que entra a sorte, o quanto você tem dela? Eu particularmente nunca tirei carta nem Super em booster, por isso comecei à comprar apenas avulsas.

Aliado à isso, comprando apenas avulsas, nunca dei mais do que 30 reais em uma carta (a mais cara foi uma Solar Recharge), e nem por isso deixei de me divertir. Condições? De um jeito ou de outro todos temos, mas quando falamos de coragem podemos enquadrar poucos.

Quem nunca foi à uma loja, viu a carta e pensou: "Po, com isso aqui eu compro um lanche" ? Eu penso isso toda vez, e por isso não compro cartas caras. Mas tem gente que tem mais condições, capaz de comprar 3 Cossack e 3 Big Eye em uma madrugada, por impulso, além dos 12 Ruler, mesmo sabendo que dois dias depois seriam banidos, é, um amigo meu fez isso, mas por que? Porque o dinheiro era dos pais, não desmerecendo, mas quando você trabalha para ganhar fica mais difícil gastar com cartas.

Enfim, acabei puxando um pouco pro pessoal no final, mas é que fiquei muito tempo sem postar e tinha muito à compartilhar (rs). Espero que tenham gostado e entendido: não sou contra quem gasta dinheiro com cartas caras e nem à favor, cada um faz o que lhe cabe na consciência, e se diverte como pode. Até a próxima, abraços do Buh.


Yu-gi-oh! Nexus® - 2014
Todos os direitos reservados

Comentários
20 Comentários

20 Comentários:

Man El disse:
10 de março de 2014 20:30

Pois é né cara, agora é esperar o Nobleswarm ser limtado/banido, ver a proxima banlist e aguardar a proxima apelação aparecer. E os preços das cartas aliado à falta de pessoas com as quais jogar foram os fatores que me fizeram nunca comprar 1 carta de Yu-Gi-Oh! original, só aquelas merrequinhas de banca de revista kkkkkkkkk

Turox disse:
10 de março de 2014 20:56

Cara, eu gastei mais de mil reais pra montar um deck quickdraw quasar. Depois de algum tempo eu vendi e abandonei a jogatina, fiquei jogando apenas na internet, porque o jogo em si é caro d+.
vc sempre vai querer adicionar uma carta nova, ou vai querer trocar de deck. Sempre vc vai ter uma pontinha de inveja dos caras chegam com cartas novas (carissimas).
isso se torna um ciclo vicioso, sem se falar nos eventos, inscriçoes caras, viagens, combustivel, ingresso de entrada no eventos, ou seja, um gasto sem fim.
eu prefiro investir na construçao da minha casa e no meu casamento.
agora eu só jogo pela net, 0800.

Anônimo disse:
10 de março de 2014 21:11

Não são um pedaço de papel... são O pedaço de papel xD.

Kymer-Sama disse:
10 de março de 2014 21:36

Sério Buuh, faça uma série de decks baratos que tem potencial pra bater de frente com os Tier 1 :) ia ser muito legal e iria poupar MUITA grana do pessoal mais hardcore

Kimer disse:
10 de março de 2014 21:38

Bom, hoje eu não compro cartas e não sinto vontade nenhuma de fazê-lo. TCG é um jogo caro. Não consigo me imaginar comprando boosters de vez em quando só pra ver se consigo tirar ao menos uma Super Rare. Tem também o fato de que aqui as cartas custam mais caro do que deveriam custar. Sem contar o fator círculo vicioso já citado pelo Turox. E o meu outro motivo é mais pessoal: não tenho com quem jogar na real life, e nem onde jogar. (tá, eu conheço uma loja que faz uns torneios de vez em quando, mas é longe de onde eu moro). Assim, eu não tenho nenhum estímulo para comprar cartas. Hoje, eu prefiro disputar algumas partidas pelo DevPro de vez em quando.

Labyrinth Wall disse:
10 de março de 2014 21:46

Turox abordou algo realmente intrigante, que é essa de adicionar uma carta nova ou trocar de deck e isso se tornar um círculo vicioso e seu dinheiro vai embora

já foi trezentas vezes que eu disse que agora meu deck está pronto e não iria gastar mais nenhum centavo com cartas, ah vai nessa, já troquei de deck novamente, peguei um deck barato, já tinha metade das cartas e nessa brincadeira ainda foram 200 reais embora e não ficou muito bom o deck.

Realmente essa de pagar muito dinheiro em um pedaço de papel é tensa, eu comprei um Cossack por 250 livre, mas era por pura necessidade, já que MPB não é nada sem seu boss monster, mas hoje eu não pago mais 80~100 (dependendo da carta) em uma carta, preciso do 101 e do Cavaleiro excitado, mas não vou comprá-los!!

ótimo post Buuh!! =)

Pedro Zero disse:
11 de março de 2014 00:08

curti o texto kra! Concordo com MTAS coisas ai. Eu realmente não pago por cartas cartas, axu q a carta mais cara q paguei foi um ZW - Leo Arms q tava 20 reais! E na epoca - entre julho e agosto - consegui pegar 2º lugar num torneio ganhando de D. Ruler, mas enfim...

So tem uma coisa q eu nao aceito muito: falar q os jogadores colocam o preço nas cartas! E uso como exemplo os Noble Knight: Eles custam os olhos da cara e vc não encontra muitos dele por ai (eu pelo menos raramente os vejo). Então, como se explica o preço deles? Tem q ser a raridade delas q sao, em sua maioria, Super ou Secret.

subonito disse:
11 de março de 2014 00:28

Excelente post. Só discordo de uma coisa: qualquer que fosse o archtypo pra invocação do Exciton ele seria caro, ainda mais Evils que é super famoso no jogo. Mas se não fosse esse, por exemplo, tanto ele como o seu archtypo seriam endeusados e subiriam de preço.

Um deck com quase todas as cartas com preço e raridade salgadas é Prophecy, motivo: Judgment Day.

Não acho que seja o melhor usar um Extra incompleto, joga com o que você tem, seja ele bom ou ruim. Ou apenas pra fechar as 15 cartas (Fusion tbm presta) e o oponente no primeiro duelo ficar mais na dele, pois não sabe o que está enfrentando.

Em suma, gostei bastante do tema, dá pra ter ótimas discussões.

Agora deixa eu ir defender o Socialismo enquanto compro meu Exciton e vou no Mc Donalds :3

Turox disse:
11 de março de 2014 01:15

olha só o cara de dark world que pegou top4 no ycs sao paulo.

Meldels, cara pobre, humilde, deck fudido meu velho, com apenas 13 cartas no extra deck, e com cartas fraquissimas.

foi lá e pegou top4 com um deck de 200 conto. Enquanto teve nego com deck de 2 mil reais que ficou chorando fora do top 32, xupa!!!

Parabens Leandro, vamo fazer assim mermao, nao vamos dar dinheiro a konami. sha poha

Gabriel Fideli disse:
11 de março de 2014 01:29

trabalhei para comprar meu ps2 e trabalhei para comprar meu psp MAAAAAS trabalhar para comprar infinidades de boxes special editions e essas bobagens todas sinceramente nao vejo vantagem seja esse o meu dinheiro ou " do papai da mamae da vovó ou da titia ou do titio" box bom tirando os epics dawns (esta vindo o 3 ai) nao vejo lucro em comprar(na minha opniao) mesmo com salario eu ainda continuaria comprando cartas avulsas e ainda levaria em conta o impacto dela no deck se realmente valeria tudo isso e faria varios testes antes de comprala(ygo pro s2s2s2s2) como sempre fiz alias atualmente estou montando um deck de rock na velocidade tartaruga só por que no primeiro booster que eu ganhei por ser juiz num camp (pequeno) que teve aqui na minha city eu tirei o megarock dragon(super rare) meu monstro rock preferido me senti obrigado a montar um deck e usar ele hehe uma hora eu completo o deck AHUAHUAHUAHU mas voltando ao assunto do post é bem isso mesmo tem gente que simplesmente PODE SE DAR AO LUXO DE TER 1 MILHAO " DE ARCAS " e "JATOS DO KAIBA "( só os fortes irao entender) mas sem duvida nao é por que o deck do cara nao é full foil que ele é um duelista ruim nao ter "brilho e gliter "(AHUAHUAHUAHUAHU) em cartinha nao demonstra a muito tempo que o duelista e de nivel inferior otimo post gostei bastante ^^

Anônimo disse:
11 de março de 2014 01:32

Eu concordo que tem carta muito cara, mas no Brasil as cartas acabam tendo preços mais que absurdos, não só cartas, a verdade não é que yu gi é extremamente caro, mas sim ser brasileiro é caro, muito caro.

Anônimo disse:
11 de março de 2014 08:36

Parabéns. Assunto sobre o preço das cartas é sempre polêmico. Concordo com a idéia do kimer. Poderia fazer uma sessão com o do zach buckley do blog tcg palyer que impõe um limite em torno de 100 dólares para montar os decks. Porém, as cartas no brasil são mais cara e impor um limite igual poderia não ser tão eficiente.

Emerson Martins de Deus disse:
11 de março de 2014 12:35

Eu não tive tempo para ler o post ontem quando você postou, mas acho que não é tão tarde para comentar xD

Gostei muito do seu post cara, o preço das cartas é um dos assuntos mais polêmicos de ygo, ou melhor, o mais polêmico. Eu nunca comprei se quer uma carta original, ter com quem jogar é fácil arranjar, talvez quando eu tiver um emprego e talz eu comece a comprar, pois os preços não me encorajam a ter cartas originais da titia konami.

Mesmo quando eu tiver emprego e talz, acho que só vou comprar aqueles decks baratos, MAS competitivos que a Konami nunca corta as pernas, decks do tipo de Dark World, atualmente o que costuma comer mais dinheiro é o Extra Deck, sempre é ele.

Eu fico feliz que a Konami não tenha parado de criar decks mesmo que não intencionalmente que nunca terão uma grande participação no metagame, mas que podem fazer você se sair bem em um torneio como o YCS por exemplo, tipo quando ela lançou a Schooled, hoje se você pegar um deck Raccoon, se for bem feito pode bater de frente com os decks mais fortes, e o melhor é que boa parte do deck é barata, claro que tem aquilo mais caro mesmo, mas da para fazer de boa sem gastar horrores.

Continue com o bom trabalho, gostei muito do seu post :)

SouzinhaDlcinha disse:
11 de março de 2014 18:34

Eu ainda não tenho um Deck completo na realidade, mas pretendo comprar, porque mesmo sendo caro, eu acho que vale a pena. E ficar com o dinheiro guardado não tem graça, tem que gastar mesmo, a menos que precise investir em algo mais importante -q

Ponponko disse:
11 de março de 2014 19:23

Otimo post Buuh! Gostei bastante e retrata bem o que eu penso quando gasto meu dinheiro com esses pedaços de papel hahaha

@Kimer_Sama: Quando eu tiver tempo, estou pensando em fazer isso, inclusive com um Baby Raccoon que eu montei com menos de 150 reais q tenho hj e e bem competitivo

ksfire disse:
11 de março de 2014 21:33

Eu vejo as coisas mais pelo lado de colecionador, então minha opinião pode ser meio controversa.

Gasto em media de R$100 a R$200 por mês em cartas (depende do mês que eu compro algo um pouco mais caro, como uma tins ou special colection), e compro cartas avulsas apenas quando preciso realmente completar o deck com alguma especifica que não consegui no booster.

Quase nunca me faltam cartas e consigo montar diversos decks, além de ter uma politica de troca ao invés de venda especulativa (só vendo quando o cara quer a carta mas não tem nada mesmo para trocar). Me divirto bastante com isso e não vejo como um gasto exorbitante levando em conta quanto custa outros hobbys no brasil, como futebol, tênis, academia e coisas do tipo.
No Brasil até mesmo se seu hobby é "ficar sentado no bar enchendo a cara", vai sair custar bastante (e nem sempre é tão produtivo).

Claro que se a Devir pudesse trazer um serviço legal para o Brasil, claro que se existisse mais divulgação, claro que se o governo parasse de taxar tudo que não for pingpong de "jogo de azar", claro que poderiam acontecer mil coisas que deixariam os custo mais em conta e a aumentaria a diversão.

Mas já realizei, anos atrás, que o Brasil é um país de nixos. Qualquer coisa que não envolva pinga, pagode e novela, vai sair caro. È assim com HQ, é assim com filmes, é assim com mangás, e é assim com cardgames. As únicas coisa que pode nos salvar deste destino terrível são as agencias de marketing, mas infelizmente essas não sabem ganhar dinheiro e preferem lucros imediatos aos de longo prazo (reflexo da cultura de inflação aos 200% ao dia).

Enquanto o Brasil não possuir mercados consolidados nas mais diversas áreas, teremos que conviver com os preços abusivos. Ou desistir de tudo e nos juntar a legião de noveleiros Globais pinguços.

Anônimo disse:
11 de março de 2014 22:54

Mais que merda de post, parece que cagou e limpou e deu este post, quero algo melhor, que lixo

Buuh disse:
12 de março de 2014 00:32

Valeu galera, é muita gente pra responder, mas vamos la. Realmente é um assunto polêmico, mas eu acho sim que quem põe o preço na carta são os jogadores. Dragon Ruler, raro, 30 reais. Mobius Mega, Ghost, 10? Simples, ninguém precisa, não tem problema.

Quanto ao irmãozinho aqui debaixo que diz ser colecionador e não ver problema por ser Hobbie, concordo contigo cara, enquanto tu ta gastando por prazer, e está feliz com isso, pô, parabéns, você está fazendo a sua vida valer a pena, independente de todo o resto.

Quanto à fazer uma série de posts, bom, nem dá pra prometer. Eu fiquei quatro meses sem postar (ou mais), por não ter tempo, então.. paciência, mas quem sabe né, rs

Tem os q disseram que não compraram carta original nunca, ai eu acho que estão perdendo. É muito gostoso tê-las, apreciá-las e jogar com os amigos. Eu mesmo tenho seis decks, todos baratos: Watthunder, Evilswarm (sem kerykeion, nem pandemic), Hazy King, Dark World (sem upstart, wtf kk), T.G. Darklord Agent Chaos Archfiend (mistureba da porra, roda demais, se quiserem post o a decklist)e Battlin Boxer, todos muito baratos e olha, já ganharam muitos campeonatos kk (mentira)

Agora estou montando um Fire Fist 3.5 Axis, vai ser o meu primeiro deck caro, pois vou comprar o super BFF Horse, de vinte reais, já Wolfbark e Tiger King, kkkkkkkkk, nem fudeno, nem Gyokkou vai ter. Mas enfim, cada um se diverte como pode, e o importante, o mais importante, com dinheiro ou sem, é se divertir!

Anônimo disse:
12 de março de 2014 01:20

concordo plenamente com tudo q vc disse Buuh!!
Poder apreciar suas cartas na vida real não tem comparação com os simuladores... Além do mais existe tambem o prazer de ver seu amigo com aquela famosa poker face!! HUAHUAHUAHUUAA
Yugioh é um jogo caro,todo mundo sabe... Mas se usar sua criatividade,vai achar cartas realmente boas e que não são do preço do seu rin
Começei a comprar cartas originais a pouco tempo e estou muito feliz :) ,mesmo que na minha cidade não tem muitos jogadores... É mais por prazer mesmo de colecionar aquelas cartas que vc se indentifica mais.
YSC Brasil mostrou que o que vence é o player e não um conjunto de cartas caras!!!
otimo post e que façam mais posts falando sobre yugioh na vida real

Turox disse:
12 de março de 2014 01:57

Cara esse assunto é muito tenso, polemico, que rende muitas opinioes. antes quando eu nao tinha decks (real) e era solteiro, eu jogava no yugioh online 3(duel acelerator 3). Foi uma epoca muita boa, eu gastava em torno de 30 reais por mes, pra manter um deck competitivo (na epoca, gladiator) e participar de torneios semanais e até campeonato mundial (que ocorriam cerca de 4x por ano). Nessa época eu sonhava em comprar um deck de verdade. Mas logo depois que comprei, me arrependi. Vendi por pouco mais da metade do valor que gastei, eu precisava me livrar do vício de sempre querer mais, é uma vontade compulsiva de sempre querer comprar aquela carta nova, é cara mas é boa, vale apena (sempre esse pensamento).
Eu tenho 27 anos, sou noivo, tenho um terreno esperando pra casa ser construida. Quando a mente amadurece, agente vê que essas coisas precisam ser deixadas de lado. Sem falar na esposa. Vejo muita gente batendo de frente com a esposa pra conseguir jogar (é verdade, a esposa tem ciume e reclama dos gastos). Quem é caso sabe disso, nao escapa nenhum.
A verdade é que, aki no Brasil o consumo dos cards é muito inviavel. Tem gente aki na net que tem muito talento, e que se tivesse condiçoes (R$) poderia competir plenamente com os tops mundiais, representando o país (posso até citar nomes dos prodígios, mas nao por conveniencia). Eu já deixei de jogar e até recomendo, sou plenamente a favor do jogo exclusivo pela net.

vcs jovens, pensem bem, eu digo, nao vale apena comprar. Mas se conselho valesse alguma coisa, seria vendido e nao dado.

:/