29 de março de 2014

Carta da Semana #107: Colossal Fighter



Nem o Ataque dos Titãs tem uma criatura tão colossal como esta.

 Eae pessoal, blzinha? Mais um Carta da Semana pra este sábado, desta vez vou fazer com que não fique atrasado, prometo. A carta de hoje é uma um quanto antiga que está recebendo sua primeira premiação como uma carta Gold Rara no Premium Gold (Vulgo, Gold Series 6). Essa edição que teve certas cartas escolhidas por votação na internet, e não é mistério que o pessoal escolheu as melhores do ano e o rapaz de hoje não ficou de fora.

 O post de hoje irá falar bastante da volta do Colossal pro jogo competitivo, começando lá pela época dos Rulers com o time titular completo (Maio de 2013) e vamos ver como está o jogo de hoje pro nosso querido Nível 8 genérico. Com vocês, Colossal Fighter:


Colossal Fighter
 8 / DARK
ATK: 2800 / DEF: 1000
Guerreiro / Synchro / Efeito
1 Regulador *+ 1 ou mais Monstros Não-Reguladores
Essa carta ganha 100 ATK pra cada monstro Tipo-Guerreiro em qualquer cemitério. Quando esta carta é destruida em batalha e enviada ao cemitério: Invoque Especialmente 1 monstro Tipo-Guerreiro do cemitério de qualquer jogador.
* Regulador é o termo usado nas cartas traduzidas pela Devir para se referir aos Tuners.


 Colossal Fighter foi um dos primeiros monstros Sincros (tradução de Synchro pela Devir) a serem criados juntamente com Gaia Knight e o Junk Warrior, sendo lançado pela primeira vez no Starter Deck: Yugioh! 5D's (Starter Deck 2008).

 Desde então Colossal Fighter recebeu seu segundo reprint no Starter Deck: Yugioh! 5D's 2009 e mais pra frente com o tempo, recebeu reprints no Turbo Pack (Astral Pack do 5D's), Duelist League 2010 e Battle Pack Tournament. Todos os sets citados são distribuidos como premio de torneios, somente o Turbo Pack que ainda pode ser encontrado em lojas a fora.

 Nesses packs a grande maioria das cartas que eles possuem são cartas de influencia ao jogo competitivo, assim como cartas do ultimo reprint do Colossal, neste ano, com o Premium Gold.


 E a história pro Colossal recomeça com a lenda dos devastadores de formato, Dragon Rulers. Colossal Fighter no começo era utilizado nos Extra Decks como um dos poucos Nível 8 genérico que o jogo possuía, seu efeito era bom, mas de longe, não se comparava a Stardust, por exemplo. Ele aguentou a repartição do Extra Deck contra outros monstros, mas com o tempo foi esquecido, até então sua única função era ter um bom ATK.

 Mesmo na época sincro existia um pessoal que rodava o Colossal por uma pequena quantidade de motivos, na grande maioria, era pra roubar o Legendary Six Samurai - Shi En do oponente caso ele fosse destruído por algum monstro forte.

 Voltando a era ruler, o deck dos dragões apresentava um arsenal opressor de jogadas, das melhores jogadas por sinal. Eles podiam invocar monstros Rank 7 como ninguém e de quebra podia invocar Sincros Nível 8 se preciso for. Ambas as classificações tem monstros muito bons, destaque para: Stardust Dragon, Crimson Blader, Number 11: Big Eye e Mecha Phantom Beast Dracossack.

 O deck era extremamente rápido e sem misericórdia alguma, a única coisa que podia parar o deck efetivamente era Maxx "C", isso contra um oponente medroso. Mirror Matchs aconteciam feito louco na época e a saída que o pessoal encontrou pra parar o deck do oponente foi Crimson Blader.

 Crimson Blader enfim teve sua chance de brilhar no jogo, tendo um inimigo em mente que ele deveria exterminar a todo custo, impedindo futuras jogadas e lhe garantindo o jogo. E mais uma vez os jogadores mexeram nos pauzinhos: o que podemos usar contra o Crimson? Effect Veiler o deck já possuía e nem sempre resolvia. Foi então que surgiu a ideia de usar Colossal Fighter no deck.

 Colossal Fighter e o Crimson Blader tem os mesmos pontos de ATK, mas o grande diferencial é que Colossal Fighter, após ser destruído invoca um monstro guerreiro do cemitério de qualquer jogador. E você acha que ele iria se reviver? Se engana, ele buscava o Crimson Blader do oponente para tirar a vantagem do seu efeito na Mirror Match. Essa jogada só era possível enquanto ninguém possuía monstros guerreiros no Extra Deck.

 Colossal passou a atuar como um Goyo Guardian para conflitos entre os desesperadores dragões e contra todos os demais que tentassem usar Crimson contra eles. Esse foi o primeiro momento de glória do Colossal efetivamente no jogo. A Konami cria um deck opressor, os jogadores bolam um contra-ataque e o deck opressor faz o que pode pra mudar a situação novamente ao seu favor. Yugioh é um jogo de momentos e modas que vão criando reviravoltas com o tempo, simplesmente fantástico.

 Mas o Colossal não parou por ali, foi mais além, ousando cada vez mais. Nessa época do jogo a coisa mais comum do mundo era trinca de Maxx "C", parar Rulers era a prioridade. E os jogadores conseguiram aproveitar disso de forma exemplar, mais uma vez os Rulers oprimindo qualquer resistência.

 Qualquer jogador ao ver o primeiro Ruler ativando efeito já iria responder com Maxx "C", caso ele controlasse um monstro com um ataque de 2500 ou mais, ele praticamente perdia o jogo. Como isso? Os jogadores de Rulers passaram a usar Forbidden Chalice como uma Veiler extra e também criador de um combo devastador com o Colossal.

 O jogador ativava sua Chalice em um monstro do oponente, deixando ele levemente mais forte que o Colossal (isso no turno em que o oponente ativou Maxx "C"). Então Colossal Fighter atacava e se destruía contra esse monstro, você levava um pouco de dano e logo após invocava novamente o Colossal do cemitério por seu efeito, nisso seu oponente puxa 1. Isso era repetido até as cartas do baralho do oponente acabarem.

 O formato ditatorial dos Rulers teve seu fim somente com 2 banlists batendo forte no deck, nenhum deck chegou a arranhar a coroa deles, destaque para Prophecy que chegou bem perto. Toda e qualquer rebelião era oprimida com jogadas inteligentes. Rulers foi o deck que mais se adaptou com o tempo, algum dia eles encontram sua nova forma de atuar competitivamente no jogo. O deck ainda possui duas variantes levemente fortes: Hieratic Ruler e Mythic Ruler.

 Colossal ainda não para de atuar no jogo, não enquanto houver criaturas como esta a minha esquerda. Não sei quantas vezes eu já ouvi a frase "Banlist não acertou os Bujins de novo! Afe!" e eles continuam em não conseguir muitos tops. Mas isso está para mudar, acredito que agora definitivamente, no Primal Origins, o deck vai receber sua ultima remessa de suportes, e dessa vez, mais aloprados do que antes!

 Não tenho duvidas que Bujins possam dominar o próximo formato, mas o que fazer se esse for o caso? Colossal Fighter! Bujingi Crane é a principal carta de poder pro deck, mas o efeito dela dura pouco, uma batalha apenas. Colossal Fighter será o destruidor de Cranes caso Bujins comecem a brincar no meta. Colossal ataca, um "blefe", para o oponente descartar a Crane, depois ele volta do cemitério e ataca novamente, retirando o monstro do oponente e lhe dando a vantagem, mesmo após alguns danos.

 Colossal Fighter mostra do que realmente é capaz depois de alguns anos no jogo, e sorte que temos uma criatura tão boa para colocarmos nos nossos Extra Decks. Ele deve ser sempre uma opção pra se colocar no Extra Deck, ao pessoal que ainda usa Crimson Blader, sabe-se lá contra qual deck, Colossal ta aí.



 Segue vídeo do amado Yanfly, o duelista MANLY, com seu mais novo MUSCULAR monster, COLOSSAL FIGHTAH, dando um pau nos SISSY Rulers.



 Terminando o post por aqui, dessa vez ele saí no horário! Espero que tenham gostado, comentem o que acham do Colossal Fighter e o futuro do mesmo. Já fazia um tempão que eu não comentava sobre algum Synchro, já tava até batendo uma certa saudade, mas ela já foi cessada comentando sobre esse colosso de monstro.

 Pra próxima semana que não sei o que falar, se quiserem me convencer sobre alguma carta, vão em frente. Sendo assim, eu me despeço de vocês, fiquem bem e falous!

Comentários
9 Comentários

9 Comentários:

Anônimo disse:
29 de março de 2014 14:54

fui o primeiro a comentar

Carlos Henrique disse:
29 de março de 2014 15:46

É incrível como cartas de certa forma, antigas, possam ainda dar seu ar atualmente tão bem, e como você falou, Yu-Gi-Oh! é um jogo de modas e tendências. Ótimo post, aproveitando pra dizer que o blog nesses dias, digo mais, já no começo de 2014 está trazendo matérias ótimas, parabéns pra glr do Nexus :P!

xkeyscore disse:
29 de março de 2014 21:59

Concordo com o Carlos.
O nível das postagens tá muito bom. Aquele post sobre a banlist, pff! Incrível. Continuem assim, Nexus.

Anônimo disse:
29 de março de 2014 22:57

salve o tchu, salve o tcha, salve o tchetchereretchetche

Cyberblu disse:
29 de março de 2014 22:58

Muito bom o post subo, nunca teria cabeça para pensar em colocar um cara desses em um deck sem ser warrior. Parabéns :)

gustavo faria disse:
30 de março de 2014 00:30

colossal sempre foi minha carta preferida(Junto com DarkLord Zerato e Phoenix Gearfried)! amei o post!

Anônimo disse:
30 de março de 2014 09:35

Isso me lembra uma jogada incrível que eu fiz com colossal: meu oponente tinha um bewd e um redmd no campo e um bls previamente que foi previamente invocado no grave dele. Eu tinha um campo vazio e um bls no meu grave (este havia sido descartado via trade-in). Fiz invocação do colossal, colossal bateu no bewd, e invocou o bls dele. Depois ataquei o redmd e ataquei novamente ganhando o jogo. Meu amigo ficou mt puto com essa vitória absurda usando próprio monstro.

todopoderosoreiyakayakaludo disse:
30 de março de 2014 20:30

Anônimo do comentário anterior, qualquer jogada q se aproveita diretamente das cartas do adversário(creature swap, brain control, monster reborn)deixa o oponente louco

todopoderosoreiyakayakaludo disse:
30 de março de 2014 20:31

Nexus d parabéns, sempre postando notícias da hora desde 2012(acho q foi nesse ano q comecei a ler este blog)