1 de janeiro de 2014

Let's Talk About #1: Temos Todo o Tempo do Mundo (8)



Yo nigga'z, 

Todos os dias quando acordo
Não tenho mais
O tempo que passou
Mas tenho muito tempo
Temos todo o tempo do mundo

E é com essa estrofe de Tempo Perdido do Legião Urbana que começo este post sobre Tempo!
ATENÇÃO: O POST ABAIXO CONTÉM CONTEÚDO INAPROPRIADO PARA IDIOTAS. SE É PRA FALAR MERDA, AGIR COMO CRIANÇA OU XINGAR, FAVOR NÃO CLICAR NO "CONTINUE LENDO"! AGORA, CASO VOCÊ QUEIRA APRENDER, DISCUTIR CIVILIZADAMENTE OU SÓ LER, POR FAVOR, ENTRE. VOCÊ FOI AVISADO!


Nota: Primeiro post do ano é meu. #ChupaSociedade


Cliquem no play que o ~Tempo~ passa mais rápido. Haha

Bem, o tema de hoje se divide em um total de 5 tópicos distintos, que eu vou apresentar aos poucos. Antes disso, vou dissertar um pouco mais aqui porque senti nos comentários - que foram mais de 30, meu Deus, como estou feliz com isso, hahaha - que vocês não entenderam a proposta de minha participação aqui no Nexus. 

Não irei - em geral - falar de decks. Não irei falar de cartas. Não pretendo falar muito de rulings. O que eu quero fazer aqui é apresentar a vocês conceitos de jogo que a maioria não conhece. Pelo menos essa é a proposta inicial. Haha

TEMPO


Bem, sem mais lenga-lengas, vamos ao primeiro tópico do post de hoje: Tempo.

Mas antes disso, o que é Tempo? Bem, podemos pensar em Tempo - com o "T" maiúsculo porque não é o tempo comum, mas sim um conceito próprio do jogo - como a velocidade que o jogo tem. Não o jogo como um todo, mas o jogo que está sendo jogado agora. A velocidade da partida. Velocidade essa causada por 2 fatores em particular: Os jogadores e os decks.
Complicado, né? Bem, vamos a um exemplo.

DESACELERAÇÃO DE TEMPO


Quando você joga contra um deck de Worm por exemplo, você percebe como a partida fica mais lenta. O jogo tem mais turnos, os turnos são menores, nenhum dos jogadores faz push algum e o clima de jogo parece preso a aquela Grind Game que aconteceu a 2 turnos atrás. 
Isso é Tempo.

O Deck de Worm usa muitas traps, e dificilmente coloca mais de dois bichos face-up no campo ao mesmo tempo, além do fato de toda a build nunca passar de um número de 18 monstros. Isso faz que quando o deck joga, ele prenda o jogo com muitas traps, ao mesmo tempo que causa pouco dano com o passar dos turnos. Ou seja, ele segura o Tempo da partida.

Em outras palavras, quando um deck utiliza muitas cartas com a intenção de atrapalhar a vida do oponente, ele acaba segurando o jogo. Isso faz com que a velocidade do jogo, o Tempo, diminua.

Mas isso não acontece somente quando na partida existem um ou mais decks focados em Grind Game* (créditos ao Pablo por este post). Por exemplo, quando você está jogando contra Mermail - um deck rápido - o jogo pode ter perda de Tempo. Como? Oras, se vierem sequências de dead draws para ambos os jogadores, o jogo ficará lento.

Agora que já sabemos o que leva a um jogo lento, vamos pensar em como identificar este congelamento no Tempo do jogo: Voltando ao exemplo do game hipotético contra Worm, você rapidamente percebe que existe uma série de coisas acontecendo por causa deste stun que o jogo tomou; ambos os players parecem que estão juntando mais cartas em suas respectivas Hands, e isso acontece porque ninguém está gastando cartas. Além disso, a reposição de cartas no Field é maior que o gasto, fazendo com que rapidamente se multiplique o número de cartas neste.

Isso tudo são consequências do Tempo lerdo. Com o jogo parado, você simplesmente ganha mais cartas do que você gasta (você ganha uma carta todo turno, graças a draw), e já que decks que tendem a diminuir o Tempo da partida usam muitas Spell/Traps o número delas aumenta no mesmo ritmo da mão.

Ou seja, podemos dizer que a característica de um jogo lento é um ganho maior de cartas do que o gasto dessas.

"Mas espera, isso quer dizer decks que ganham muita vantagem muito rápido como Prophecy , Gadget e Dragon Ruler são lentos?" - ILUSTRE, Leitor

Nem sempre. É importante lembrar que eu defini o ganho de recursos como uma das características da perda de Tempo, não como a definição geral. 

É interessante notar que a desaceleração no tempo do jogo nem sempre acaba com o ganho de recursos. Um exemplo é o Deck de Exodia: Após ativar 3x Reckless Greed no mesmo turno, o usuário do deck parte para o tudo ou nada e usa Into The Void para um ultimo saque em busca d'O Proibido e não consegue. Infelizmente para ele, um eventual Dark Simorgh está em campo, impedindo-o de salvar seus recursos, que são destruídos pela drawback da Into The Void durante a End Phase. Mas nem tudo está perdido. O nosso querido Exodia Player tem algumas copias de Necro Gardna no Graveyard, o que impede que o Simorgh Lockdown User seja capaz de vencer o jogo.
Parâmetro final: Exodia Player sem cartas na mão e incapaz de comprar cartas graças a Reckless. Ele não está ganhando recursos, mas o Tempo dele está praticamente zerado.

Mesmo sendo viajado, esse exemplo mostra que o ganho de recursos embora seja quase sempre a recompensa por cair em um Tempo devagar, não é uma regra.

RÁPIDO COMO UMA TARTARUGA, FORTE COMO UM TOURO


Essa título idiota acima reflete perfeitamente a esquematização de alguns Decks: São decks que não conseguem acompanhar a velocidade atual do jogo, por isso usam de uma linha pesada de defesas para desencorajar o oponente e reduzir a velocidade do jogo. 

Como exemplos posso citar Bujin, Fire Fist Axis-4, Blackwing e Worm. Notem que todos esses decks tem uma coisa em comum fora a uma defesa pesada: Eles geram plus de forma consistente. Mas vamos analisar isso mais para frente.

WHAT CAN I DO?


Decks com essa qualidade constroem a vitória num ritmo lento; por isso tentar quebrar o Tempo dele com investidas rápidas (mas responsáveis, sem descer 5 monstros com Torrential set do outro lado ¬¬) OU caso seu deck seja control, iniciar uma simplificação de backrow com o seu adversário, abusando de MST~Dust Tornado na EP para limitar as power plays dele.

ACELERAÇÃO DE TEMPO


Corre da .44!!!Por outro lado, o Tempo não pode só ser reduzido; ele também pode ser obrigado a correr como uma puta ao ver que o cliente dela não tem dinheiro mas tem uma .44.

Quando um deck reage de forma que faça muitas jogadas em um mesmo turno, dizemos que ele é rápido. Ou seja, que ele deixa o ritmo do jogo, o Tempo, rápido.

Temos vários exemplos no meta atual, mas vou pegar Mermail como alvo. Quando você joga contra esse deck, você automaticamente fica em alerta, com medo que ele comece um OTK vindo de lugar nenhum.

Isso acontece porque Mermail tem um poder muito útil: O de alterar abruptamente o Tempo do jogo, no caso ele o acelera de uma maneira tão brusca que eu momento ele tem uma Linde em campo, e no outro ele acabou de dar um Deepsea OTK em você.

Voltando ao assunto, geralmente decks desse tipo gastão uma quantidade IMENSA de recursos em pouco tempo, e para isso é necessário uma Continuidade (outro conceito que dissertarei) para não zerar suas reservas antes de conseguir ganhar o jogo.

Um exemplo clássico era a build inicial de Mermail, que foi usada no TCG. Naquela época, o deck era tão agressivo que muitas vezes partia para o tudo ou nada ainda muito cedo no jogo, tentando pressionar o oponente a tal forma antes disso que ele simplesmente não conseguisse parar o OTK.

Notando isso, Sttibis utilizou 3x Roar em seu Main Deck de Inzektors. Embora eu não tenha visto o report do torneio na época, é fácil imaginar como foi a matchup: Uma chuva de monstros esbarrando em uma Roar chainnable que foge de Marksman, e no turno seguinte o campo inteiro do Mermail sendo destruído por Hornet.

Já que Mermail nessa época só tinha Avarice e Salvage para se reciclar, o deck simplesmente morria todo turno que não matava, e as chances de vitória se esgotavam.

Sttibis congelava o tempo da partida, para depois super acelera-lo de uma forma que o Mermail player não conseguia recuperar seus recursos. Ele no máximo poderia tentar outra investida, que talvez nem sequer rende-se OTK.

Agora, vamos focar na partida contra decks desse porte, o que podemos notar é: Os turnos são muito maiores que o normal, entretanto existem menos turnos no jogo, o jogador gasta muito mais recurso do que é capaz de ganhar, etc.


IT'S A THUNDER!


Decks desse naipe tendem a virar o jogo com demasiada velocidade, com lances que chegam a parecer que é sorte, quando na verdade toda a build estava dando suporte para aquele topdeck, aquele momento. Na verdade, sorte é um conceito inexistente em Yu-Gi-Oh!, mas vamos deixar isso para o outro dia. Se não, teremos mais 500 linhas de artigo. Hahaha

Como exemplo, posso citar: Mermail, Synchroncentric, Dragon Ruler, Lightsworn variants, Zombie variants, Fire Fist Axis-3, etc.

WHAT CAN I DO?


Decks desse tipo simplesmente não são capazes de reagir diante de stun cards. Stun cards são cartas que desaceleram o jogo ao limitar o uso de X propriedade deste para ambos os jogadores. 

Entre exemplos posso citar Gozen Match, Rivalry of Warlords, Stygian Dirge e Vanity's Empitness. Simplesmente não existe deck de Tempo Rápido que não seja atingido por uma delas.

Além disso, você pode tentar dois caminhos para quebrar o Tempo desses decks: 
  • Abusar de jogadas rápidas junto com uma dessas stun cards para estabilizar um campo antes que o filhadumavaca do outro lado da mesa o faça; (recomendado para outros decks de Tempo Rápido)
  • Limitar o movimento do adversário com altas quantidades de simplificadores/mass removal, fazendo ele(a) - para quem estou mentindo, jogadores de YGO são tão raras quanto homens que colecionam Rebelde. E não são gays - ter medo de iniciar o push, enquanto você mantém o campo estável(recomendado decks de Tempo Lerdo)

 

TEMPO CORRIDO


Esse é nome para o fenômeno - eu que dei esse nome. e.e - para quando o jogo corre em um Tempo normal. Para quando você simplesmente não queima sua mão em um OTK, ou segura o jogo por 5 turnos esperando o Exodia. É quando o jogo acontece no Tempo normal dele.
Ao contrário do que parece, essa situação É MUITO RARA. Poucos decks são estáveis a esse ponto. Ainda assim, vamos dar uma pequena aprofundada aqui.

Decks de Tempo Corrido tendem a gastar exatamente aquilo que eles ganham, abusando de algum monstro grande para segurar o campo enquanto ele faz jogadas simples mas poderosas.

Como eu disse anteriormente, esses decks tendem a ser raros. O motivo é que os players tendem a baixar conscientemente o Tempo de jogo destes...

Pausa no post! Acabei de ouvir Hail Mary - Tupac num carro que passou aqui em frente de casa. Fé na humanidade lá em cima, bitches!

... para lidar melhor com os decks extremamente rápidos que sempre existem no metagame.

As plataformas com essas características tendem a manter o jogo num ritmo médio, evitando a todo custo mudanças extremas do Tempo com cartas como Dust Tornado e Maxx "C".

 

QUERO UM MISTO, TIA! 


Como eu disse mais de 8.000 vezes, esse decks são muito raros. Entretanto no jogo atual, posso dar destaque a Hunder Family

Hunders mantém o jogo num ritmo constante com a sua engine própria somada a Reciclar Baterias, enquanto mantém um bicho grande, branco e mal em campo com um bônus de +1000 ATK.


WHAT CAN I DO?


Bem, contra esse tipo de deck o segredo está em você controlar o ritmo da partida desde o começo. Ambas as condições que eu comentei que podem ser usadas contra decks rápidos e lentos podem ser usadas na abordagem contra este daqui. 

TIMEBREAK


Por fim, vou falar de um tópico extremamente importante no conceito de Tempo: A quebra dele.

Como eu disse, todo duelo tem um ritmo (Tempo) e que esse ritmo é definido principalmente por (A) deck e (B) duelista.

Entretanto, existe um ultimo fator que poder mudar o curso de um duelo: Cartas individuais.

O que acontece, é que existem cartas tão poderosas que elas sozinhas são capazes de distorcer todo o ritmo da partida, seja reduzindo a velocidade do jogo ou aumentando. Essas cartas em geral estão na banlist e/ou são win conditions.

Um exemplo clássico é o Black Luster Soldier - Envoy of the Beginning em meados de 2011, quando fora liberado. Ele não só era presença garantida em qualquer deck - já vi usando até em Dino Rabbit - mas o motivo disso não era só o hype causado pela liberação de uma carta que ficou 6 anos banida. Ele era simplesmente estúpido. Invoca-lo aumentava em 90% as chances de vitória, ele simplesmente fazia com que um jogo que até então estava equilibrado ter um total lapso de Tempo. Em um turno o ritmo do game estava em um equilíbrio entediante, então DO NADA aparecia um monstro com o poder de tirar até 6000 pontos de vida sozinho

E não apenas ele é capaz de fazer isso. Gorz, Master Hyperion, Mecha Phantom Beast Dracossack,  Mermail Abyssgaios, Maxx "C", Tragoedia, Dark Hole, Royal Tribute, Seven Tools of the Bandit, Torrential Tribute, Trap Stun... Todas essas cartas mudam o ritmo do jogo a partir do momento que são jogadas, de uma forma tão grande que existem jogadores que chegam ao ponto de colocar outs exclusivos para eles. 

Querem um exemplo? No começo do formato, existiam tantas traps poderosas que pesavam no jogo (*cof cof* Return from Different Dimension, Sixth Sense *cof cof*) que os players começaram a usar Trap Stun para balancear. O que aconteceu é que Trap Stun começou a influenciar mais no jogo que o esperado, dando muitos games a quem usasse-a. Então, para se adaptar, alguns jogadores simplesmente trocaram suas Trap Stun por Seven Tools of the Bandit. O problema é que NENHUMA carta nega melhor o Canivete do que outro Canivete. Resultado: Faltando 3 semanas para acabar o formato TODO MUNDO está usando Seven Tools. 

Querem mais exemplos? Todos estão comentando sobre o poder de Bujin Concealment, que simplesmente quebra o Tempo do jogo, parando-o por 2 turnos. A ÚNICA carta que desacelera o jogo dessa forma. Já a antiga Super Rejuvenation fazia exatamente o contrário: Ela também dava um reset no jogo; entretanto de forma a acelerar - e muito - este. 

Seja controlando a mão, o campo, o cemitério, fazendo swarm ou qualquer outra coisa, essas cartas atingem um nível de poder in-game que beira a estupidez, e faz a gente desejar que a Konami tome uma providência. Hahaha


APLICANDO O CONCEITO


Parabéns, você chegou até o (quase) final desse pênis de texto! 

Nesse final de post, irei dissertar sobre o que todo mundo quer saber desde o começo: Como eu aplico essa bosta de conceito?

Bem, primeira devo dizer que não é fácil. E quando digo que não é fácil, REALMENTE não é fácil. Provavelmente, Tempo é um dos conceitos mais complexos, difíceis e demorados de se dominar; afinal, como você consegue dominar uma qualidade inerente do jogo, que é ditada simplesmente pelas cartas dos jogadores?

A grande questão é essa: Você não domina o Tempo em si. Uma vez que as cartas - Eventos - que fazem a manutenção do Tempo resolvem, você não pode voltar atrás e se livrar. Você pode apenas contornar a situação.

E o X da questão. Como fazer isso? O correto é você preencher as Vulnerabilidades* (leia mais clicando no link; onde o grande Souji Preto dissertou com maestria sobre), sempre prevendo as quebras de Tempo que seu adversário pode fazer.

Paralelamente, para conseguir quebrar o Tempo com a maior eficiência possível, deve-se criar Laços* - novamente um artigo dissertado por Souji =) - visando esconder a sua capacidade de quebras de Tempo no momento correto. 

Desculpem a resposta efêmera, mas caso eu viesse a falar TOTALMENTE sobre como prever quebras de Tempo e como oculta-las, iria ter que dissertar por mais alguns dias. Isso porque Tempo não é um conceito a ser dominado, mas sim um conceito a ser entendido para o domínio de outros.

CONTINUAÇÃO



SÊMEN! Finalmente acabei esse anûs de post grande pra c*ralho, e gostaria de saber a opinião de vocês sobre. Acharam ele útil para a comunidade? Sentiu falta de algum tópico? Tem alguma sugestão para o próximo? Me achou escroto? Ou gostoso? Quero saber a opinião de vocês sobre esse tipo de artigo, e sobre a minha escrita.

Só lembrando que se floodar nessa merda, ou começar a falar bastardice eu apago o comment. <3

E no próximo artigo, PRETENDO falar de card advantage, mas posso mudar dependendo do feedback de hoje.

*  Posts feitos pelo Yu-Gi-Decks; blog a qual eu sou fan. Permissão de uso do material concedido pelo redator Pablo André.

Good Game,
Porthos

P.S: Usei algumas ~palavras esquisitas~ pois as politicas do Blogger proíbem o uso de palavrão. D:

Comentários
64 Comentários

64 Comentários:

Bruno Navas disse:
1 de janeiro de 2014 00:32

Não gosto da presença do Porthos aqui, mas fazer o quê.
E OBS: O primeiro post não foi o do Blu, desejando feliz ano novo?

#ChupaPorthos

Anônimo disse:
1 de janeiro de 2014 00:58

porthos gaaay

Dani disse:
1 de janeiro de 2014 01:03

Excelente post cara, n entendi nada mas gostei muito !

Anônimo disse:
1 de janeiro de 2014 01:16

eu entendi só até a parte da tartaruga voadora, porque não li o resto ainda.

Anônimo disse:
1 de janeiro de 2014 01:16

^Dani troll rs

Cyberblu disse:
1 de janeiro de 2014 01:22

Muito bom o post porthos, só não sou seu fã mais ainda porque você quis roubar a honra do primeiro post do ano, fora isso ta de parabéns pelo trabalho, feliz 2004

dragonlord disse:
1 de janeiro de 2014 01:25

Bom, terminando de dar um check no post, parece tudo ok pra mim, amanhã quando tiver tempo eu leio tudo.

Uma dica porthos, pare de tentar se o bad guy falando palavrão (ou palavras relacionadas), isso não pega bem pro blog.

dragonlord disse:
1 de janeiro de 2014 01:25

ah, e já disse pro blu ir dormir, ele ta bêbado

Labyrinth Wall disse:
1 de janeiro de 2014 02:21

Blu está bêbado mesmo!! '-'

"feliz 2004"

vou banir quem tiver menos de 18 e está lendo esse post!! =)

Carlos Henrique disse:
1 de janeiro de 2014 04:49

Porthos vou ler só amanhã (ops, hoje mais tarde), tô com sono, sem falar que a matéria tá bem grandinha ^^ por isso deve estar ótima :))

Feliz 2014 galera do NeXus ><

x.o.x.o xD

Emerson Martins de Deus disse:
1 de janeiro de 2014 08:12

Esperava mais...

Mentira, foi mais do que eu esperava, acho que foi o post mai grande que eu li inteiro, mas valeu a pena. Nunca tinha me ligado nesse assunto de tempo e jogo, mas realmente é algo existente no ygo, achei muito interessante você tocar em tantos pontos diferentes no post, pelo menos eu não tenho dúvidas sobre o assunto.

Belo post, feliz 2014.

Mike disse:
1 de janeiro de 2014 09:15

Excelente post, muito bom mesmo.
Não entendo a dificuldade que a galera tem para ler um post desses, eu pretendia ver apenas lançamentos mas comecei a ler e não consegui para mais. Bem explicado, detalhado e exemplificado.. espero mais posts sobre conceito de jogo entre outras coisas bem aprofundadas como foi este; nem que seja bimestral.. SS GRADE qualidade encontrada apenas em top fóruns/blogs americanos.
Vlws pela dica do ygodecks, e feliz ano novo nigga!

AnthOny disse:
1 de janeiro de 2014 10:39

http://1.bp.blogspot.com/-QL2cSl6IuMM/Txv-L5gdqrI/AAAAAAAABfA/W_6vDaJn1YA/s400/nemly_e_nemlerey_copy_copy1.jpg

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 12:08

Mas sua mãe ainda chupa meu pau. E mostra o rosto quando faz isso.

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 12:10

Fico pensando em como você gosta de algo que não entende, mas beleza. Hahaha

Agora diga-me, o que não entendeu. Posso concertar isso no próximo post.

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 12:12

A tartaruga é mito, mas você devia ler o resto antes de comentar. e.e

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 12:14

Anônimo hue. Rs

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 12:17

Obrigado pelo comentário, mas porra, você devia ter colocado seu post para as 00:01h e o meu para as 00:00h, já que fiz ele MUITO antes. >_>

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 12:19

O que não pega bem pro blog são posts ruins, meus palavrões agregam valor apenas.

Depois que ler aí, comente aqui. 0/

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 12:22

Flood. D:

E eu só tenho 16, aí fode.

Cyberblu disse:
1 de janeiro de 2014 12:22

Calma Porthos, deixei seu post aparecer por primeiro na página inicial do blog, então desconsidera o comentário anterior o seu foi o primeiro do ano e o meu foi o segundo.

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 12:23

Feliz ano novo para você também. Quando terminar de ler, avise.

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 12:24

E você drogado.

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 12:28

Aleluia um comentário de verdade. 0/

Que bom que você gostou, espero que os próximos cumpram a expectativa também. Alguma sugestão?

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 12:46

"Hurr dure em sol foda e naum vou ler nada hue hue"

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 12:47

Hahaha, boa resposta.

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 13:06

Obrigado cara, que bom que você gostou.

E os meus posts são pra quem quer vencer, aqueles que não lêem, assim eu tiro os loosers só no primeiro parágrafo. -q

Zoeiras a parte, vou tentar diminuir o tamanho dos artigos para dar mais acesso dele as massas.

Guilherme Lerry dos Santos disse:
1 de janeiro de 2014 13:26

Muito bom. Legal é fazer umas mudanças repentinas, você tá lá levando ataques fazendo um jogo devagar, depois vira duas Hope for Escape compra quatro cartas e de repente, boom, jogo rápido.

Aldair Hatake disse:
1 de janeiro de 2014 14:28

Feliz ano novo a equipe do Yu-gi-oh! Nexus e a todos seus seguidores!!! Ótimo post, sir Porthos Fitz-Questitor!!! Muito bom, quando a temática é excelente, não importa se o texto é longo ou não! Usarei esse conceito em minha vida de duelista mais profundamente a partir de agora! Parabéns!!!

ksfire disse:
1 de janeiro de 2014 14:34

Exelente post pra começar o ano, realmente eu levei anos para dominar esse conceito (lembro do meu primeiro "deck salada tentativa de burn" com Paladino Negro XD).

Isso me fez ponderar em como seria a classificação dos decks que uso atualmente. Creio que FIre King seria tempo corrido, mas não sei como encaixar Burning Knuckles, o Flamvell 2013 e vários outros. É algo que os duelistas realmente tem que pensar na hora de montar suas builds.

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 16:09

Sim, hahaha.

É bem esse o esquema de decks de explosão como Geargia, duro é quando o push falava e você fica com cara de cu. Hahaha

De qualquer forma, obrigado pelo comentário e espero que tenha gostado do post. Alguma sugestão para o próximo?

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 16:12

Obrigado, fico feliz de saber que meu artigo acrescentou algo no jogo de alguém, tem sugestões para o próximo artigo ou algum toque para mim?

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 16:18

Sim, identificar o Tempo de um deck permite que você preencha suas fraquezas e saiba lidar melhor com as do adversário.

E bem, eu como espectador externo não posso dizer com certeza as qualidades mas eu diria que BB és o e Flamvell rápido, mas são mais chutes, já que não conheço bem o deck e não faço ideia da sua build. Hahaha

Obrigado pelo coment., e não deixe de acompanhar. 0/

Carlos Henrique disse:
1 de janeiro de 2014 16:25

Porthos, ótima matéria, eu admito que no começo eu até que não estava entendendo o sentido dessa ferramenta no duelo chamada "tempo", mas logo fui entendendo :D

Gostei muito de você ter citado os Lightsworns, amo esse arquetype :33

Obs: te achei escroto :s kk

Renan disse:
1 de janeiro de 2014 16:35

Sir Porthos tenho uma pergunta para vc:
Com chegada da Field scrap factory o deck de scrap poderia entrar no meta?
Qual o tempo que o deck Scrap se encaxairia ACELERAÇÃO DE TEMPO,TEMPO CORRIDO ou TIMEBREAK quero saber sua opinião?

Seu post ficou muito bom meus parabéns

Anônimo disse:
1 de janeiro de 2014 16:41

sempre te achei desnecessário para o blog, mas até que o post ficou bem feitinho.
Ps.: usar ITV em deck Exodia é burrice

Álvaro Goudinho disse:
1 de janeiro de 2014 17:51

Muito bom o post Porthos!!! =D
só não deu tempo de ler os links que você passou, mas só pelo que eu de relance, eles são 1321423423523532453465436% úteis para quem quer aprender mais sobre o conceito e melhorar como jogador o/
@Sugestão: seria legal se vc colocasse um link de vídeo exemplificando os tipos de Tempo que vc citou "ex:
uma gameplay de um deck worn para dar de exemplo um deck control lerdo"
Ahhh, o tamanho do post ta bacana... num tem como abordar esse assunto em poucas palavras mesmo o/

@Sobre o próximo post:
Card advantage é um assunto bem atual mesmo, boa escolha; afinal o formato que está por vir e formato anterior este conceito está sendo usado muito no metagame....
mas tenho sugestões de próximas matérias (tomara que eu acerte desta vez):
- aborde e explique melhor os OTK's, algo como uma explicação mais ampla, como pontos fortes e fracos, ritmo de jogo, essas coisas
- características de tipos e atributos: ouvi de uma lenda muito distante que o atributo e o tipo do monstro influenciam em suas características como carta ex:
Um monstro fogo tem tendência a ter uma característica burn
Enfim, se tiver algum conhecimento de algo, seria uma materia legal também.
- outra sugestão é abordar o conceito de controlar as cartas da mão, por exemplo:
muitas pessoas quando fazem um otk MUITAS MESMO jogam todas as cartas da mão no campo, perdem na rodada seguinte ficam sem nada fudidos e semi derrotados, enfim explique melhor se essa história de coração das cartas é mesmo verdade XD.
Desculpe do post longo 0.0.......

Bruno Gutierres disse:
1 de janeiro de 2014 19:01

Como assim já estão sambando no Porthos logo no primeiro dia do ano e eu ainda nem participei kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 20:08

Que bom que você gostou, e quanto a utilidade do conceito, ela é realmente abstrata, mas vai servir prantundamrbtar alguns conceitos mais palpáveis que vou abordar no futuro.

E vai se foder. *O*

Kymer-Sama disse:
1 de janeiro de 2014 20:13

ACHEI UM ERRO DE GRAMÁTICA PORTHOS"eu momento" non exciste bitch

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 20:13

Opa Renan, obrigado pelo comentário.

Quanto a sua pergunta, e considero que Scrap sim vai ter uma forte presença em simuladores, porque o field garante reposição de campo e uma facilidade maior de colocar Golem em campo, e eu o considero um deck rápido, pelo menos as minhas builds. Haha

P.S: Timebreak não é um ritmo de tempo; é quando este é quebrado.

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 20:17

Rekalk bate na minha Skill envoltanpara você, mas a sua visualização continua sendo minha. <3

E eu disse que o exemplo era viajado.

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 20:25

Opa, obrigado pelo comentário, Sr. Goudin.

Que bom que você gostou, e eu recomendo muito os links, inclusive o sobre Vulnerabilidades mudou a minha filosofia de vida. Haha

E as sugestões, achaque eu dei uma passada por cima do primeiro tópico nesse post, e o terceiro sera abordado no de Card Advantege.

O do meio o queneunsei énque nos primórdios do jogo, eles eram equivalentes aos archtypes. Ex: Zombie geralmente jogam com algo sobre swarm, Dragons tem ATK alto e EARTH geralmente são bicos mais control.

Espero que tenha irado suas dúvidas, e continue comentando. 0/

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 20:28

Gente que chega atrasados foda. Próxima vez eu mando mensagem pra você, amoré. <3

Obrigado pelo comentário, alguma sugestão para o próximo, o dica para este?

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 20:31
Este comentário foi removido pelo autor.
Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 20:34

Erro de sintaxe.*

E eu já tinha visto, mas não puro concertar porque o iPhone não deixou. T-T

Mas que bom que você percebeu, significa que prestou atenção no post. 'O'

Álvaro Goudinho disse:
1 de janeiro de 2014 21:04

nuss, desculpe por comer palavras no comentário 0.0...
eu to meio bêbado ainda sabe... -_-
Mas enfim, que fita mano 0.0 então essa coisa de características de tipo/atributo é obsoleto 0.0
bom, pelo menos até hoje os dragões continuam com ataques altos XD.
Errr, vou explicar minha situação pra você:
atualmente to jogando de dragunity, e como você bem sabe, a ravine banida, uma carta que sozinha acelerava drasticamente o Tempo do deck se foi, e isso fez com que os jogadores de dragunity se reinventassem e readaptassem a maneira e a velocidade que o deck gira.
Seu post me ajudou muito nisso; e bom, se nenhuma das sugestões anteriores foram muito úteis, aqui vai mais uma:
que tal falar sobre deckbuilding??
Afinal, saber montar um deck é tão importante como saber lidar com o ritmo de jogo correto?
como sugestão geral, sugiro que aborde temas que você considere vitais e essenciais o/.

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
1 de janeiro de 2014 21:12

Haha, vinho com açúcar no ano novo a mil hein, todo mundo de ressaca e eu quase nem tomei álcool, vou ter que tirar o atraso. D:

Bem, eu nem sei como o pessoal esta rodeando dragunity, Jaque to off desde o Natal mas deve estar treta, Ravine adiantava muito as jogadas.

Bem, eu pretendo abordar o deck builiding, mas não da maneira comum. Vou falar do POV lógico~matemático.

E sim, vou falar de tudo que acho vital. =)

Apocalipse Anônimo disse:
1 de janeiro de 2014 23:11

Ruim afé num falou dos ninja - isso é tão... 2013.

Enfim bom post curti ler até o final é que bom que tem pessoas de bom gosto no mundo ainda HUE.

OBS: Que tanto flood é esse tava bebido? D:

Marcio elogiando o popo e o sexus disse:
1 de janeiro de 2014 23:39

Bom post Popo, vai ajudar bastante, principalmente os linkados xD

que vc tenha bastante tempo aqui no sexus pra nos ajudar a melhorar o/

e eu tb curti o exemplo da puta, hu3

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
2 de janeiro de 2014 00:08

Eu sou o redator do post. Não floodo, bombo o post. Hahaha

E que bom que tu gostou do post. Mas falar "curt" é tão 2013. D:

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
2 de janeiro de 2014 00:12

Te amo cara, você e o Apo foram os iniciando vindo que colaram aqui. <3

Que bom que você gostou, e realmente, os lindados são melhores que o meu post todo. T.T

Effy disse:
2 de janeiro de 2014 00:36

Muito bom o post, ancioso pelo próximo biatchy.

Quando eu vi 53 comentários achei que você tinha sambado no mundo, mas PORRA 27 deles são só seus HAUHAUAHUAH trucoso msm

Anônimo disse:
2 de janeiro de 2014 01:15

Sdds hora do duelo :(

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
2 de janeiro de 2014 01:40

Spam de comentários a gente ve por aqui. Haha

Que bom que você gostou, alguma sugestão?
P.S: NInguem falou nada da música. T,T

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
2 de janeiro de 2014 01:43

Todos temos, mas eu quero saber o que meu post tem haver com isso. -q

Makoto Kazuma disse:
2 de janeiro de 2014 15:30

Porthos eu tenho uma sugestao pro Proximo Post Fala o q vc vai usar pra esse Formato ja q Dragon Ruler Morreu e vc so joga de Ruler ou vc ama tanto q vai tentar montar uma outra build? D:

Man El disse:
2 de janeiro de 2014 18:31

Próximo passo: escrever um livro sobre Yu-Gi-Oh!, com técnicas? hehehe
Ótimo post, mas pra minha cabeça ainda é bem abstrato. Me concentrarei neste tópico mais tarde.

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
2 de janeiro de 2014 20:32

Opa Makoto, obrigado pelo coment.

Sua sugestão eu não vou seguir, porque além de eu já ter esboçado o que eu quero fazer no site, a CoreTCG ta fazendo uma série de artigos sobre. Depois, da uma olhada no blog deles! Ta em inglês mas é fácil de entender.

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
2 de janeiro de 2014 20:38

Haha, obrigado, Man-El. Quando eu estava terminando o post, eu mostrei para o PRRJ e depois de uma conversa ele brincou sobre escrever um livro de YGO; quem sabe você não o convence? Haha

E o conceito e abstrato mesmo, mas se você se concentrar no duelo vai ver que os exemplos que eu disse realmente acontecem. Quem sabe isso não lhe ajuda?

P.S: Sentindo falta do viado do Subo e do puto do LG para comentar aqui. T.T

Gabriel Souza disse:
4 de janeiro de 2014 12:43

Bom post, complexo, promete ajudar bastante jogadores por ai...
Deve ter muita determinação para fazer posts a este "nível". -q
Sugestão para próximos posts: Não tenho. :3

Porthos sem poder logar disse:
4 de janeiro de 2014 12:50


Valeu Thunder, e nem é tão difícil; o problema é escolher um tema mesmo. Haha

Marcio disse:
4 de janeiro de 2014 18:22

UASHUAHSUHSAAUHSSHA Ele sambou nos TGOG Effy. :O

Sir Porthos Fitz-Questitor disse:
4 de janeiro de 2014 20:10

@Bruno Navas: Que bom saber sua opinião sobre mim, mas sabe o que seria zika? Você falar sua opinião sobre o post... Nos comentários do post.