21 de setembro de 2013

Carta da Semana #82: DNA Surgery


Eae pessoal, blzinha? Como eu já havia comentado no ultimo Carta da Semana, a carta de hoje seria uma carta de side. Meta Game mudou, perdemos staples, aprendemos a usar novas e o principal: o side mudou também. Mas eu não iria comentar sobre o side se não fosse essa carta. Sem mais delongas, vamos conhecer a nossa mais nova carta de side.


DNA Surgery
Carta Armadilha Contínua


Ative declarando 1 Tipo de monstro. Todos os monstros virados para cima se tornam desse Tipo.

 Assim como a Scapegoat falada no CDS #79, essa aqui também é uma anciã do jogo. Ela saiu no OCG no pack Curse of Anubis, no dia 28 de Setembro de 2000. E futuramente veio no TCG no Pharaoh's Servant (que nada mais é que a junção dos packs OCG Curse of Anubis + Thousand-Eyes Bible) no dia 20 de Outubro de 2002.

 Essa daqui, diferente da Scapegoat, tem relativamente poucas reprints, mas a de mais destaque sem duvida é que ela está presente no Legendary Collection 3. Um set recente que tem muitas cartas old-school. Uma coisa legal a se notar é que no Pharaoh's Servant a DNA era Super Rara e no Legendary Collection 3 uma Comum. Dá pra se notar que na época, talvez, eles tivessem pondo algo a mais nela, se bem que eu não consigo imaginar como.


Esses são os simbolos de todos os 22 Tipos de monstros que nós possuímos no jogo.

 Esse post vai ser resumido em: A importância dos Tipos para o Card Game. E quem ainda duvidar, vai manjar aqui com o tio o porque disso.

Vamos começar com a seguinte pergunta: porque esta carta aqui do lado é tão boa? Se você respondeu porque ela ajuda a jogabilidade dos Zombies, você está errado. Vou clarificar as coisas com uma experiência pessoal, eu tive o prazer de enfrentar um deck com 3 dessas usando Dragões. Não era Dragon Ruler, porque se fosse, o barato ia ser ainda pior.

 A resposta correta é: ela quebra o jogo da mão, campo e cemitério de certos decks, o prato principal dela, óbvio que são Dragões. Se a nossa DNA muda-se o tipo tanto em campo, como no cemitério, ela seria ainda melhor. Pra quem ainda não captou a mensagem, aqui vai um exemplo de situação que a Zombie World mata dragões.

Oponente começa o jogo ativando Zombie World e fazendo algumas coisas a mais e passa. Meu turno, eu invoco um Card Trooper, mando 1 DARK, 1 LIGHT e 1 Red-Eyes Darkness Metal Dragon pro cemitério. Invoco um Lightpulsar banindo o LIGHT e o DARK. Meu oponente responde com Torrential Tribute, eu não posso buscar meu Red-Eyes no cemitério.

 Mas por que? Pelo simples fato de que ele não é mais um Dragão. Seria a mesma coisa que se eu invoca-se um Dragão, meu oponente ativa-se uma DNA em resposta e eu não pude-se invocar meu Red-Eyes da mão banindo aquele monstro virado pra cima. Ele não é mais Dragão mesmo.


Esse foi um pequeno exemplo de como a mudança em Tipos pode ser fatal, tenho mais e mais exemplos de decks fortes na ponta da linguá e que vou argumentar com vocês. E principalmente, comentar a utilidade da DNA, nem que seja 1 cópia, em um side deck. 

Vamos começar com o mais novo deck que está de volta ao jogo competitivo: Blackwings. E um meta game onde decks que destroem cartas do oponente tem maior vantagem contra decks que não podem mais simplesmente apostar em staples, Icarus Attack faz um favor imenso aos Blackwings.

 Icarus Attack permite você tributar um monstro do Tipo Besta-Alada e destruir outras 2 cartas em campo. Agora, se você tem a DNA ativada, de nada a Icarus Attack poderá fazer. Se o seu oponente não tem mais alvos para o custo da Icarus, ela fica morta em campo e você ainda tem seu jogo armado contra os Kaluts da vida.

 Até mesmo Madolche perde um monstro muito importante pra velocidade do deck quando enfrenta a DNA. Messengelato, um dos monstros mais importantes do Deck Madolche junto ao Mewfeuille tem um efeito de busca muito potente, que futuramente pode acarretar em sua derrota.

 Mas a condição desse efeito ativar requer um certo Tipo de Madolche virado para cima no campo. Melhor que isso, para a DNA, é que é 100% previsível quando seu oponente está apostando nessa jogada: quando ele invocar o Mewfeuille. Já que o gatinho é único monstro Tipo Besta, geralmente, usado em decks Madolche, se ele estiver vindo é porque o seu oponente tem Messengelato ou Redox em mãos. E como Madolche é lento sem a sua busca, você tem uma vantagem incrível até o fim do jogo.

 O deck de plantas vem ganhando material que pode ser bem usado no futuro, o próprio pack Legacy of the Variant já está trazendo um novo archtypo planta pro jogo. E uma das cartas principais do deck planta é a Lonefire Blossom, que também tem um efeito, cujo custo necessita de um monstro com um Tipo especifico. As vezes a Lonefire pode acabar aparecendo em Decks Dragon Ruler também. Outra coisa importante sobre as plantas são seus suportes, mesmo que esquecidos, eles podem fazer a diferença no futuro, já que elas estão recebendo mais membros. Certos suportes delas, por exemplo, Pollinosis, requer um tributo de monstro do Tipo Planta. Então caso haja alguma epidemia de decks planta por ai, DNA é uma boa pedida.

Outro deck que sofre muito com a DNA é, o ex-Meta, Prophecy. Se você abrir os olhos ao invés de dormir enquanto seu oponente comba loucamente você vai perceber que quase todas as Spellbooks tem uma condição de ativação que é "Controlar um monstro Tipo Mago em campo". Sendo assim, a DNA mata, quase que por completo, a jogabilidade ofensiva do deck que é, em partes, o pior problema quando se enfrenta esse deck.

 Com a DNA e um deck bem montado, você pode ainda superar as demais dificuldades contra esse deck, que mesmo depois da lista, ainda tem uma jogabilidade rápida, consistente e as vezes brutal.

 Falar de Tipo e não falar de Fire Fist é uma heresia. Conheçam o segundo deck que mais sofre nas mãos da DNA. Pra começar pelo minimo: eles não ganham o boost de ATK pelas Fire Formation. Fora isso: eles não tem acesso aos Xyzs ou aos Synchros deles. E é aqui onde a DNA faz eles tremerem, todos sabemos que tanto o 3-axis como o 4-axis deles rodam de forma exemplar quando estão com seus trunfos, alem de botar aquela pressão no jogo. Como tanto o Xyz deles e os Synchros precisam de materiais com tipos específicos. E agora que eu entrei nessa de Xyz e Synchros com Tipos específicos, eu entro em uma outra forma de utilidade da DNA, vamos a ela!


Decks Psychic ou Decks Guerreiro tomam uma taca gostosa da DNA. Em decks Psychics, com foco em Synchros do mesmo tipo, geralmente vem pedindo materiais do tipo deles, isso pode ser evitado com o uso da DNA. A mesma coisa funciona para decks guerreiro, mas aqui o impacto é mais efetivo, já que os Xyzs deles são a maior força para terminar o jogo. 

 Isso pode ser aplicado em diversos decks, sempre fique de olho quando tiver a oportunidade para fazer isso.

E pra terminar a lista dos coitados, o deck que mais sofre com a DNA: Bujins! A maldita restrição de "Monstro Besta Guerreiro 'Bujin'" mata os Bujingis. Uma vez que Yamato, Mikazuchi ou, o novo, Arasuda não são mais Besta Guerreiros, eles não tem seus amigos para se proteger ou fazer um Kagutsuchi.

 Pior que isso, nem os Bujingis que ativam no cemitério vão poder fazer algo em respeito a DNA, já que eles também tem a mesma condição. Em resumo, a DNA para tudo que Bujin tem de melhor, a jogatina de Bujingis. Os Bujin sem suas relíquias protetoras são mais frágeis que Mokey Mokey.



 Post de hoje, não vamos ter video, então, vamos direto ao Gran Finalle. Uma cartinha esquecida já tem um bom tempo, mas que com o tempo voltou a ser usável. Eu acho realmente o máximo quando coisas assim acontecem. E a DNA é uma carta que com certeza vai evoluir mais com o tempo, como vocês reparam durante o post, Tipo é uma classificação muito importante no jogo, a principio para diferenciar as criaturas, mas que futuramente seria usado para dar certos suportes a ela. Repararam também que existem Archtypos que surgem em volta desses tipos e isso vai durar por muito tempo e podem ter certeza disso.

 Como o meta game ainda não está consolidado, o uso de qualquer carta no side é duvidoso, mas ainda assim é uma boa carta a se por nesse side provisório. Tendo em mente todos os decks que essa carta pega, duvido você não ter pensado em por ela de side. Melhor de tudo é que você escolhe o tipo, caso você esteja usando um deck que apanhe pra ela, você pode escolher o tipo que quiser e apenas ferrar o seu oponente. Uma carta sem contra indicação, uma verdadeira carta de side.


Encerrando o post aqui, espero que tenham gostado e que principalmente, tenha sido interessante e informativo. Quanto ao , só segunda que vem. Tava raciocinando aqui e pensei em avisar o seguinte: se eu não postar um HCNC depois de uma semana, ele fica pra outra semana. Resumindo, vai variar de semanal para quinzenal (como já haviam avisado no meu post de boas vindas, poderia ser assim). Postar 2 vezes por semana não me mata, mas nem sempre é viável, então, espero que entendam.
 Bem, é isso, falous e até a próxima!

Comentários
12 Comentários

12 Comentários:

Terry Yutem disse:
21 de setembro de 2013 22:29

Haha, muito legal a utilidade de uma carta tão velha.

CyberBlu disse:
21 de setembro de 2013 22:32

Realmente tinha esquecido que essa carta existia e que ela poderia ser usada para Side. Prevejo que num futuro ela venha ser limitada, se continuarem a criar archetypes focados em apenas 1 tipo de monstro (como Bujin), ela passaria a fazer parte de muitos Main Decks. Enfim, muito bom o post, parabéns.

Anônimo disse:
21 de setembro de 2013 22:39

nossa, depois dessa ja estou indo colocar 2 cópias dessa carta no side de todos os meus decks

lurkingSombres disse:
21 de setembro de 2013 23:10

De Beast Madolche tem Hootcake também.

Makoto Kazuma!{Hunter}! disse:
21 de setembro de 2013 23:36

No DN os Cara ja usam de Side Desde o Formato Passado Para Ferrar Spellbook

Titio Porthos disse:
21 de setembro de 2013 23:57

Só faltou você falar sobre como é hispter você dar flip numa carta dessa em duelo IRL. Os cara olha pra você tipo "WTF?". No outro formato os nego já não entendia, nesse então...

Anônimo disse:
22 de setembro de 2013 00:21

lol, eu lembro do episódio que os bodes expiatórios viraram dragões, foi no campeonato do kaiba lá, muito legal aquele episódio

Effy disse:
22 de setembro de 2013 09:46

Post incrivel Subo, só adicionando uma coisa, como o estilo Cyber vai ganhar mais suportes, eu acho que essa carta talvez comece a ser usada até de main, por que ai da pra fazer chimeratech fortress com todos os monstros do oponente, melhor ainda se for deck que faz spam, da até pra dar OTK lol

Titio Porthos disse:
22 de setembro de 2013 11:22

^ Se DNA for pra Main Deck, eu dou o Pez pra você...

Emerson Martins de Deus disse:
22 de setembro de 2013 14:19

Belo post Subonito, nós últimos dias eu tinha pensado se era legal ou não usar ela no main de Bujin, tornando todos beast-warrior.

Hyokketsu disse:
23 de setembro de 2013 08:22

Lembrando que Icarus pode tributar um monstro setado para pagar seu custo, então BW não apanha tanto assim, basta setar aquele Vayu e ele ja tira ela e boa. Mas só de matar Bujin e Spellbook já vale a pena =D
ótimo post o/

Makoto Kazuma!{Hunter}! disse:
23 de setembro de 2013 21:47

Verdade da pra usar essa de main no cyber dragon deck boa garotinho jordan