4 de julho de 2013

Discussão: Simon He desclassificado.


Bem, a notícia que vem marcando essa semana é infelizmente é uma nada boa. No torneio United Gosus, ocorrido anteontem, o duelista mundialmente conhecido Simon He foi desclassificado do torneio após um dos juízes no TOP 32 flagrar marcações em alguns Sleeves dele e dos oponentes dele com a unha, lhe dando uma pequena vantagem em duelos.


Eu levanto essa discussão delicada, pois acho que esse fato não pode passar em branco. Mesmo alguns não acreditando que ele realmente marcou algumas cartas com a unha propositalmente, há provas bastantes claras disso: Sleeves de algumas cartas dele com a mesma marcação que as cartas de alguns oponentes tanto no Swiss Round quanto no TOP 32;Uma dessas cartas marcadas tem uma coisa em comum: Elas foram retornadas do campo para a mão em algum momento, podendo ter sido tocadas ou marcadas por ele, dando uma vantagem de mão a ele.

Um jogador com habilidades reconhecidas e "famoso" como ele não tem o porque fazer isso, se ele mesmo tinha a intenção de fazer. O jogo foi feito para ser uma diversão, um hobbie do qual você gasta dinheiro (demais até) para montar um deck e disputar duelos e campeonatos com amigos, desconhecidos, que seja, sempre tentando melhorar a cada duelo, crescer não só como duelista, mas como pessoa também.

Acho que fica a lição, a discussão e a lembrança que do jogador mais pobre e desconhecido ao jogador famoso e rico são apenas jogadores em um torneio, ambos estão sujeitos a isso se tentarem essa atitude ou por uma grande coincidência do destino, serem acusados disso. Como também todo cuidado é pouco com outros jogadores, já ouvi falar de muitos casos que adversário esconde sua carta para depois pedir que um juíz faça a checagem de sua decklist e a carta não está mais lá, resultando em Game Loss só para tirar vantagem disso.

Queria saber a opinião de vocês sobre isso, acham que ele realmente quis fazer isso ou não ?

Comentários
10 Comentários

10 Comentários:

Emerson Martins de Deus disse:
4 de julho de 2013 11:36

Nem ele mesmo poderia nos dizer isso, sempre suspeita, se ele dizer que sim, pode ser uma tentativa de mostra que está arrependido mas nem sempre sincera diminuição de culpa, se ele disser não ainda sim vão acusa-ló mostrando as evidências, no momento que isso ocorreu todos são mentirosos e oportunistas.

CyberBlu disse:
4 de julho de 2013 11:48

Como assim marcar os sleeves com a unha? Nunca tinha ouvido isso (marcacoes identicas em cartas identicas?), mas mesmo assim acho que ele deveria mesmo ser desclassificado se apresentassem as evidencias, afinal e uma trapaça como qualquer outra.

Lucas Gaspar disse:
4 de julho de 2013 11:55

Blu, vê o vídeo, acho que ele mostra como os sleeves estavam marcados.

Crabcore V.L disse:
4 de julho de 2013 11:58

anyway o com ou sem trapaça o simon he e lixoso

Wantuir disse:
4 de julho de 2013 12:21

Lamentável mesmo. "A oportunidade faz o ladrão"... como já dizia o velho ditado...

Enzzo Sato disse:
4 de julho de 2013 12:42

Lamentavel, mesma coisa com o Nizar

CyberBlu disse:
4 de julho de 2013 16:09

Eu vi o vídeo depois. Vai entender esses caras...

wagner Illanez disse:
4 de julho de 2013 16:37

Interessante ressaltar isso aqui ainda:
http://inamedeathaspect.blogspot.com.br/2013/07/simon-hes-disqualification.html

Depois de ver o vídeo da pra perceber que ele tem um sistema todo arrojado pra roubar. O que comprova que n é acidental, e que ele faz isso desde sempre.

Potter disse:
4 de julho de 2013 17:08

então é isso que aconteceu com esse cara!!

cara, Yu-Gi-Oh! é diversão acima de tudo (aprendi com o mestre Yuki Judai), não importa se é nacional, continental, mundial, sistema solarial, ou um simples torneio de final de semana que tem apenas 8 caras, um cara que trapaceia é um FDP, tinha que ser banido dos torneios oficiais por uns bons 7 anos no mínimo!!

Lucas Gaspar disse:
4 de julho de 2013 17:22

@Wagner: Bem lembrado, eu vi o link hoje, o que eu fico mais impressionado é que ele n precisava fazer o que fez, ele sempre foi um bom jogador. Infelizmente, ele teve a chance e fez.